Banca & Finanças Montepio começa OPA no valor mais alto de sempre

Montepio começa OPA no valor mais alto de sempre

As unidades de participação do Montepio estão a negociar acima de 1 euro, a contrapartida que a associação mutualista está a oferecer na oferta pública de aquisição que se inicia esta segunda-feira.
Montepio começa OPA no valor mais alto de sempre
Bruno Simão
Diogo Cavaleiro 14 de agosto de 2017 às 08:55

O fundo do Montepio arrancou a oferta pública de aquisição (OPA) a negociar a preços mais elevados do que o oferecido pela associação mutualista. Já houve transacções a 1,035 euros por unidade de participação, quando a contrapartida é de 1 euro.

 

As unidades do fundo de participação da Caixa Económica Montepio Geral sobem, assim, 1,7% para 1,017 euros esta segunda-feira, 14 de Agosto, face à cotação de 1 euro a que tem encerrado. Já chegou a 1,035 euros. É a cotação mais alta de sempre do fundo.

 

A transacção a preços mais elevados do que o pago na OPA acontece na primeira sessão desta operação, que se estende por quatro semanas até 8 de Setembro.

 

Antes do tiro de partida OPA, mas já depois de ter anunciado a intenção de promovê-la, a mutualista liderada por António Tomás Correia já vinha comprando unidades: comprou quase 12% no espaço de um mês, reduzindo para quase metade o esforço que tem de fazer.

 

Neste momento, resta à associação adquirir menos de 15% para ficar com todo o fundo de participação, criado em 2013. A intenção é retirá-lo de bolsa e facilitar – inclusive em termos de preço – o investimento de entidades do terceiro sector, como a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, na Caixa Económica Montepio Geral.

Cotações inéditas

 

Desde que estreou em bolsa, o fundo de participação do Montepio tem tido um desempenho negativo. Estreando em 1 euro, chegou a valer menos de metade. Voltou a subir quando a mutualista anunciou a intenção de avançar com a OPA precisamente a 1 euro, de modo a evitar perdas aos titulares das unidades. Antes do anúncio estavam a cotar nos 0,497 euros, dispararam depois para os 0,99 euros. E tem sido em torno de 1 euro que têm negociado desde aí, ainda que superando a cotação, embora nunca tanto como esta segunda-feira.

 

Depois da OPA, a intenção da mutualista é avançar para a transformação em sociedade anónima (passando a Caixa Económica a ter o capital representado por acções, extinguindo-se o fundo de participação agora cotado). Com esse passo, os titulares de unidades passam a accionistas – e aquilo que a mutualista quer é que sejam reduzidos os números de eventuais outros accionistas. Depois disso, avança para a perda de qualidade da sociedade aberta do fundo, ou seja, retirando-o de mercado. 

 

Fora de mercado, a intenção é negociar, sem condicionantes do mercado, o preço de eventuais investimentos de accionistas, como a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, todos do terceiro sector, isto é, economia social.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG 14.08.2017

2/2-Mutualista (acionistas em que os indivíduos que representam o capital nas AG’s não puseram lá capital nenhum e que normalmente até têm outros interesses por vezes conflituantes), sejam os acionistas mais convenientes na ação de fiscalização interna da gestão do banco, fiscalização efetiva e competente de que o banco Montepio muito carece.
Mas, pelo que vejo, muita gente continua a preferir manter as águas turvas que é onde gosta mais de pescar. Acho que o banco Montepio precisa de acionistas que participem nas AG’s para defenderem preferencialmente a boa gestão do capital que lá investiram. E se a ideia é alargar o capital do banco a outros investidores, então acho que por lei, e para manter o estatuto de Caixa bancária, o que devia ser estipulado é que uma maioria confortável de capital, por exemplo uns 60%, teria de ser mantida pela Ass Mutualista, podendo os restantes 40% ser detidos por qualquer outro investidor, excluindo bancos e acionistas relevantes de bancos.

comentários mais recentes
JCG 14.08.2017

0,75 por ação do BCP? Não é verdade, eu falei com um contínuo do Santander e ele disse-me que o preço acordado era de 1,5 euros.

O SANTANDER prepara OPA ao BCP 14.08.2017

O SANTANDER vai engolir o MILENIUM BCP a 0.75 por ação

então o bcp desceu 30% e a pharol é que sobe 14.08.2017

ENTÃO em 8 dias MARRARAM o MILENIUM BCP 30 % para baixo então e hoje a FALIDA e INSOLVENTE PHAROL é que sobe 8% isto REALMENTE só na nossa bolsa onde a TRUMP é que sobe quem tem fartos lucros desçe 30 %

JCG 14.08.2017

1/2-As operações que vêm sendo anunciados no âmbito do banco Montepio e os comentários e opiniões a seu propósito parecem-me uma enorme trapalhada. Infelizmente, em Portugal não se aprofunda nada, a não ser o jogo do pontapé na bola.
Acho bem que o Montepio-Ass Mutualista recompre as unidades de participação do banco ao ser valor nominal.
Mas a ideia de o banco só poder ou dever ter por outros acionistas, para além do Montepio-Ass Mutualista, instituições da economia social parece-me uma ideia bizarra e até inconveniente, por duas razões:
1ª Não me parece que IPSS ou similares se devam transformem em investidores em bancos, ou seja, que desviem recursos – que normalmente são muito escassos - da sua atividade própria para investirem em ações; se tiverem excedentes pontuais de tesouraria, os mesmos devem ser aplicados com as maiores cautelas para evitar perdas;
2ª Também não me parece que outros investidores no banco Montepio com a natureza de ACIONISTAS DIFUSOS, como já é a Ass

ver mais comentários
pub