Banca & Finanças Montepio garante que "adopta melhores práticas" exigidas pelos reguladores

Montepio garante que "adopta melhores práticas" exigidas pelos reguladores

A Caixa Económica Montepio Geral (CEMG) assegurou, este sábado, que "adopta as melhores práticas" exigidas pelos reguladores e supervisores que tem executado todas as recomendações para melhorar os seus procedimentos.
Montepio garante que "adopta melhores práticas" exigidas pelos reguladores
Bruno Simão/Negócios
Negócios com Lusa 11 de março de 2017 às 16:40

"A CEMG adopta as melhores práticas e recomendações, quer do Banco de Portugal, quer da European Banking Association [Autoridade Bancária Europeia], seja em matéria de gestão de risco, de controlo interno ou de concessão de crédito", lê-se no comunicado enviado hoje às redacções.

 

O banco mutualista, que é detido na totalidade pela Associação Mutualista Montepio Geral, diz ainda que "em todos os casos" em que houve recomendações das entidades de supervisão que as aceitou e actuou para as executar.

 

"Face a recomendações de entidades de supervisão, as entidades visadas procedem de duas formas: ou contestam ou aceitam e corrigem. Em todos os casos que a CEMG decidiu não contestar procedeu-se às correcções e tudo se encontra em conformidade", acrescentou a instituição.

 

A Caixa Económica Montepio Geral afirmou ainda que, em 2015, fez a "revisão de procedimentos e áreas passíveis de melhoria do governo interno" e que executou "um conjunto de acções que robusteceram o seu sistema de controlo interno, situação já reconhecida pelo respectivo regulador".

 

A entidade sublinha que "adaptação às melhores práticas" é um "processo contínuo" e que a continuará a "colaborar com as autoridades para estar sempre em conformidade com as mais elevadas exigências internacionais".

 

O Expresso noticia hoje um relatório do Banco de Portugal relativo à CEMG em 2016 em que os técnicos concluem que a entidade apresenta "um perfil de risco de nível elevado", que as exposições estratégicas "não garantem uma gestão sólida" e fala ainda numa "consistente degradação da qualidade da carteira dos clientes".

 

A Caixa Económica Montepio Geral é liderada por Félix Morgado (na foto), que substituiu Tomás Correia em Agosto de 2015, ficando este apenas como presidente da Associação Mutualista Montepio Geral.

 

O banco ainda não publicou os resultados de 2016, sendo para já conhecido que até Setembro teve um prejuízo de 67,5 milhões de euros, que compara com perdas de 59,5 milhões de euros em igual período de 2015, justificando este resultado com os "impactos específicos ocorridos no primeiro semestre relacionados com os custos com o processo de redimensionamento da estrutura operativa, com as contribuições sobre o sector bancário para o Fundo Único de Resolução e para o Fundo de Resolução Nacional e com perdas em investimentos financeiros".

 

Já apenas no terceiro trimestre, a instituição apresentou um lucro de 144 mil euros, referindo o Expresso na notícia de hoje que para este resultado "terá pesado, de forma indiscutível, a venda de uma participação de 19% na empresa mineira Almina, por 93 milhões de euros e com uma mais-valia de 24 milhões".

 

A compra foi feita um "veículo financeiro, designado Vogais Dinâmicas, com sede em Oliveira dos Frades, e constituído no dia 29 de Setembro de 2016". O jornal diz ainda que a operação foi posteriormente anulada.

 

No passado dia 6 de Fevereiro, dia da assembleia-geral da entidade, o Montepio anunciou o arranque da remodelação dos seus balcões, num processo que se estenderá por três anos. A mudança acontece depois da reestruturação que ditou o fecho, nos primeiros nove meses do ano passado, de 90 agências da caixa económica.

 

Serão investidos seis milhões de euros numa primeira fase, mas o valor global colocado neste plano não foi revelado. O logotipo permanece igual mas há uma nova assinatura: "Só um banco diferente nos leva mais longe".

 

Da assembleia-geral da entidade saiu também a decisão de ser posta em prática a mudança para sociedade anónima, exigida pelo Banco de Portugal.

 

A transformação em sociedade anónima faz com que o capital da instituição financeira passe a ser representado por acções. A associação mutualista do Montepio é a proprietária única da caixa e, segundo a própria, assim irá continuar, apesar de esta transformação abrir portas à entrada de privados. De qualquer forma, a mutualista, actualmente liderada por António Tomás Correia, terá sempre de manter a maioria do capital, de acordo com o regime jurídico das caixas económicas.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 12.03.2017

Quem ainda não tivesse percebido que o crédito bancário a empresas privadas e a particulares não pode ser concedido sem se aferir a real capacidade dos potenciais devedores para pagar as suas dívidas e a capacidade da economia para promover as condições de equidade e sustentabilidade, assentes nas tendências nos mercados domésticos e mundiais, que permitam pagá-las, percebeu agora. Resta também que se comece a ter igual entendimento e sensibilidade em relação ao crédito concedido a todo o sector público. Isso implicará sempre a capacidade para despedir onde é preciso despedir, investir na tecnologia onde se tem que investir e deixar de tratar a oferta e procura reais como se não existissem ou fossem opcionais.

comentários mais recentes
Anónimo 12.03.2017

Quem ainda não tivesse percebido que o crédito bancário a empresas privadas e a particulares não pode ser concedido sem se aferir a real capacidade dos potenciais devedores para pagar as suas dívidas e a capacidade da economia para promover as condições de equidade e sustentabilidade, assentes nas tendências nos mercados domésticos e mundiais, que permitam pagá-las, percebeu agora. Resta também que se comece a ter igual entendimento e sensibilidade em relação ao crédito concedido a todo o sector público. Isso implicará sempre a capacidade para despedir onde é preciso despedir, investir na tecnologia onde se tem que investir e deixar de tratar a oferta e procura reais como se não existissem ou fossem opcionais.

pub
pub
pub
pub