Banca & Finanças Montepio perdeu 876 milhões de depósitos no trimestre

Montepio perdeu 876 milhões de depósitos no trimestre

O Montepio perdeu 876 milhões em depósitos nos primeiros três meses do ano. Trimestre de polémicas penalizou instituição.
Montepio perdeu 876 milhões de depósitos no trimestre
Maria João Gago 09 de maio de 2017 às 22:02
A Caixa Económica Montepio Geral perdeu 876 milhões de euros em depósitos nos primeiros três meses deste ano, período em que a instituição liderada por José Félix Morgado voltou aos lucros. Recorde-se que, no primeiro trimestre do ano, o banco esteve debaixo dos holofotes mediáticos devido aos resultados negativos do seu accionista, a Associação Mutualista Montepio Geral, e a notícias sobre operações destinadas a melhorar as contas da instituição e a mudança de marca exigida pelo Banco de Portugal.

Em termos homólogos, os depósitos de clientes recuaram 4%, para 11.592 milhões de euros. Já o crédito a clientes recuou 3,2%, para 20.795 milhões de euros. Já o nível de malparado diminuiu, com o crédito em risco a fixar-se em 15,1%, contra os 15,5% registados há um ano.

No primeiro trimestre, o Montepio lucrou 11,1 milhões de euros, uma recuperação face aos prejuízos de 19,8 milhões apurados no final de Março de 2016. Esta inversão foi possível graças ao aumento dos proveitos e à redução de custos proporcionada pela reestruturação posta em prática no ano passado.

O produto bancário aumentou 53,6%, para 115,2 milhões de euros, reflectindo o aumento de 35,7% da margem financeira, que se fixou em 71,1 milhões, graças à "redução dos custos de financiamento".

Por seu turno, os custos operacionais recuaram 19,3%, para 67 milhões, evolução resultante do corte dos gastos com pessoal, que recuaram 25,8%, para 41,8 milhões, beneficiando da redução de quadros concretizada no ano passado. No final de Março, o Montepio tinha 4.156 trabalhadores a nível do grupo, menos 174 do que no ano anterior.

A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

O Montepio mais uma vez na ribalta pelos piores motivos.

comentários mais recentes
Ricardo Almeida Há 1 semana

Lá aparece no meio da notícia que "o Montepio lucrou 11,1 milhões de euros"... De repente parecia que estava em risco de falencia, afinal voltou aos lucros

Anónimo Há 1 semana

O Montepio mais uma vez na ribalta pelos piores motivos.

Anónimo Há 1 semana

O que mais deve preocupar os portugueses são os conflitos de interesse e as quebras do dever fiduciário. Conflitos de interesse como aqueles que se prendem com os resgates estatais e subsídios constantes à banca, aos banqueiros e, é bom nunca esquecê-lo, aos milhares de bancários e ex-bancários, agora aposentados, deste país. As quebras de dever fiduciário prendem-se com situações de alterações de termos de contrato que prejudicam os clientes, comissões ocultas, aumento indiscriminado de comissões, etc.

pub
pub
pub
pub