Banca & Finanças Montepio recusou dar dados para avaliação pedida pela Santa Casa

Montepio recusou dar dados para avaliação pedida pela Santa Casa

Segundo o jornal Público, o Haitong, banco contratado pela Santa Casa para avaliar a entrada na Caixa Económica Montepio Geral, pediu informação adicional. A Associação Mutualista, dona do banco, recusou.
Montepio recusou dar dados para avaliação pedida pela Santa Casa
Bruno Simão
Negócios 17 de janeiro de 2018 às 09:45

A Associação Mutualista Montepio Geral não disponibilizou parte da informação pedida pelo Haitong Bank para uma análise aprofundada à Caixa Económica Montepio Geral.

A notícia faz capa esta quarta-feira, 17 de Janeiro, no jornal Público. A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) tinha mandatado o Haitong para esse pedido de dados adicionais junto da associação dona do banco Montepio, fazendo depois a análise de futuros riscos no negócio.


É citada uma reunião realizada a 21 de Dezembro na SCML, onde estiveram também presentes o gabinete de advogados desta instituição e representantes da Associação Mutualista.


A Associação Mutualista Montepio Geral, liderada por Tomás Correia, terá informado que não podia divulgar esses dados porque as contas de 2017 do seu banco ainda não estavam fechadas e porque a actual gestão de Félix Morgado está de saída.


Além disso, a dona do Montepio Geral considerava que a compra de uma posição minoritária, até 10%, não exige uma análise prévio aos riscos do negócio.


O provedor da SCML já veio confirmar que o investimento será entre 150 e 200 milhões de euros, não excedendo os 10% de capital. Para decidir se avança mesmo no negócio, a instituição encomendou também uma auditoria à Baker Tilly, de modo a perceber o impacto desta decisão nas suas contas.


Na mesma notícia, o Público recorda que Nuno Mota Pinto vai substituir Félix Morgado na liderança do banco e aponta Francisco Fonseca da Silva como "chairman".




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 17.01.2018

Como há gente que só lê os títulos, eu reproduzo o que diz a notícia: “A Associação Mutualista Montepio Geral, liderada por Tomás Correia, terá informado que não podia divulgar esses dados porque as contas de 2017 do seu banco ainda não estavam fechadas..."

Anónimo 17.01.2018

Portanto, segundo a própria noticia, "O montepio não pode divulgargar esses dados porque as contas de 2017 do seu banco ainda não estavam fechadas...", mas o cabeçalho da noticía diz que "O Montepio RECUSOU" dar dados". Enfim....assim vai o Jornalismo em Portugal! Pergunto-me ao serviço de quem!?

BORIS 17.01.2018

Pois claro.......então os gestores do MG quando vão comprar uma cautela da lotaria do Natal também não sabem se é o numero que vai ser premiado.........
E quando vão ao quiosque às raspadinhas não lhes dão garantia de prémios............
Esperem pelo resgate e depois comprem o MG BOM por 1 euro

pub