Telecomunicações Moody’s ameaça cortar "rating" da Altice devido à fraca prestação do Meo

Moody’s ameaça cortar "rating" da Altice devido à fraca prestação do Meo

A agência baixou a perspectiva do "rating" da empresa de telecomunicações de "estável" para "negativa".    
Moody’s ameaça cortar "rating" da Altice devido à fraca prestação do Meo
Ivan Guilbert/Bloomberg
Nuno Carregueiro 06 de dezembro de 2017 às 16:49

A Moody’s reviu o "outlook" do rating da Altice International de "estável" para "negativo", indicando que poderá vir a baixar a notação financeira da empresa que em Portugal controla o Meo.

 

A agência atribui actualmente à Altice um "rating" de B1, que corresponde ao quarto nível de "lixo".

 

Numa nota publicada esta quarta-feira, a Moody’s explica que esta alteração de "outlook" reflecte "o desempenho mais fraco que o esperado no terceiro trimestre nas receitas em Portugal, bem como a alteração na estratégia do grupo, que está agora à procura de vender activos para reduzir a alavancagem".

 

A Moody’s também colocou o "outlook" de outras empresas da Altice em "negativo": Altice Luxembourg e SFR.

 

A empresa liderada por Patrick Drahi tem estado sobre pressão nos mercados, tendo perdido mais de metade do valor em bolsa num reduzido espaço de tempo. A elevada dívida da Altice, superior a 50 mil milhões de euros, está no centro das preocupações dos analistas e investidores.

 

A agência de notação financeira Standard & Poor’s anunciou a 23 de Novembro o corte no "outlook" do rating da dívida da operadora de estável para negativo. O rating também se situa no quarto nível de "lixo" (B+).  




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 5 dias

Oh Sr jornalista Nuno Carregueiro
Estar SOBRE pressão é coisa que não existe. A forma correta é estar SOB pressão. O Sr escreve isso sempre de forma errada.

pub