Banca & Finanças Moody’s: Plataforma para gerir malparado é positiva. Mas efeitos não são imediatos

Moody’s: Plataforma para gerir malparado é positiva. Mas efeitos não são imediatos

A agência de “rating” considera que o acordo entre o BCP, CGD e Novo Banco para a criação de uma plataforma para gerir o malparado é “positiva”.
Moody’s: Plataforma para gerir malparado é positiva. Mas efeitos não são imediatos
Bloomberg
Rui Barroso 02 de outubro de 2017 às 12:35

O BCP, a CGD e o Novo Banco anunciaram na passada quinta-feira que acordaram a criação um veículo para gerir de forma integrada o crédito malparado. Para a Moody’s, esse desenvolvimento é positivo do ponto de vista da qualidade de crédito dos bancos portugueses. Mas Maria José Mori, a analista da agência, ressalva que esta plataforma não trará resultados imediatos para a qualidade do balanço dos bancos nacionais.

"A iniciativa é positiva do ponto de vista do crédito, já que permitirá melhorar a recuperação destes activos e reduzir o ‘stock’ elevado de empréstimos problemáticos nos balanços dos bancos portugueses", diz a agência numa nota divulgada esta segunda-feira, 2 de Outubro. E recorda que o malparado "é actualmente um constrangimento-chave na qualidade de crédito do bancos portuguesas e desafia a sua solvência, como está reflectido na sua capacidade de absorção de perdas".

Apesar de serem geridos de forma integrada, estes créditos continuarão no balanço dos bancos. E a Moody’s refere que "isso significa que a iniciativa não terá benefícios imediatos na qualidade de crédito dos bancos portugueses". A agência realça que "as necessidades de provisionamento e de consumo de capital relacionadas com estes activos problemáticos continuará a pesar na solvência dos bancos".

A agência realça que esta plataforma foi a solução encontrada "após muitos meses de intenso debate para alcançar uma solução colectiva que permitisse aos bancos reduzir o seu elevado ‘stock’ de empréstimos problemáticos". E a Moody’s constata que "os bancos tinham opções limitadas dadas as restrições a ajudas de Estado e aos uso de fundos públicos para financiar qualquer tipo de iniciativa que levasse à criação do chamado ‘bad bank’".

No entanto, a Moody’s realça que "todas as medidas tomadas para acelerar a redução de risco dos bancos portugueses e de acelerar os seus esforços para reduzir os ‘portfolios’ de empréstimos problemáticos contribuirá para melhorar os fundamentos financeiros dos bancos".




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
MILENIUM BCP a 0.50 por AÇÃO Há 2 semanas



ATÉ ao FIM DESTE ANO DE 2017 o MILENIUM BCP irá ULTRAPASSAR os 0.50 por ação dia 15 de outubro os RATINGS do BCP e de PORTUGAL vão voltar a SUBIR os lucros do 3 TRIMESTRE já triplicaram em relação ao 1 º os JUROS vão começar a SUBIR

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub