Banca & Finanças Morgan Stanley deverá avançar com corte nos bónus e despedimento de gestores

Morgan Stanley deverá avançar com corte nos bónus e despedimento de gestores

A Reuters noticia que o banco norte-americano Morgan Stanley poderá avançar com um corte nos bónus pagos aos gestores da área de investimento em cerca de 15% e despedir em torno de 20 directores-gerais após a quebra registada nas comissões em 2016.
Morgan Stanley deverá avançar com corte nos bónus e despedimento de gestores
Lucas Jackson/Reuters
Negócios 13 de janeiro de 2017 às 08:26
A agência noticiosa Reuters avança esta sexta-feira, 13 de Janeiro, que o banco norte-americano Morgan Stanley deverá avançar com o corte dos bónus pagos aos gestores do sector da instituição relacionada com a área de investimento em cerca de 15% e ainda proceder ao despedimento de mais ou menos 20 directores gerais, isto depois da queda registada no valor das comissões cobradas ao longo de 2016. 

A Reuters acrescenta que enquanto a redução de pessoal se enquadra na avaliação do desempenho anual, o corte nos bónus, que deverão ser pagos no próximo mês, era menos esperado. 

O Morgan Stanley reduziu os custos de compensação do seu sector de investimento e unidade de transacções em 11% nos primeiros nove meses do ano passado, isto na sequência da queda de 12 % verificada nas receitas da instituição.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 17.07.2017

O factor trabalho é alocado em combinações variáveis com os factores capital e recursos para produzir da forma mais económica e eficiente bens e serviços com procura no mercado e que servem para satisfazer necessidades. Que parte desta factualidade elementar e indesmentível é que o sindicalista radical por natureza e o neoludista por profissão de fé, ainda não perceberam?

Camponio da beira 13.01.2017

Que venham para cá para o bcp, cgd que há sempre lugar para mais um no conselho de administração. Um dia seremos todos admninistradores de bancos ou funcionarios das camaras...pela quantidade de gente que entra...

pub