Empresas Morreu empresário Pedro Queiroz Pereira

Morreu empresário Pedro Queiroz Pereira

A notícia da morte do empresário foi avançada pelo Expresso.
Morreu empresário Pedro Queiroz Pereira
Negócios 19 de agosto de 2018 às 08:27

O empresário Pedro Queiroz Pereira, presidente do conselho de administração das papeleiras Semapa e Navigator (ex-Portucel), e dono da cimenteira Secil, morreu este sábado, 18 de Agosto, aos 69 anos, avançou o Expresso.

PQP, como era conhecido, nasceu em Lisboa em 1949 e frequentou o Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Lisboa. Foi também piloto de competição até assumir a liderança do grupo industrial familiar.

Segundo o ranking da Forbes Portugal, divulgado na íntegra a 12 de Julho, Pedro Queiroz Pereira – tendo como principais activos a Semapa (que controla a Navigator e a Secil) e o hotel Ritz – era detentor da quinta maior fortuna do país. O património do industrial português ascendia então a 1.129 milhões de euros.

 

Já de acordo com o ranking da Exame, conhecido a 31 de Julho, PQP e a sua mãe Maud Santos Mendonça ocupavam o sétimo lugar nas fortunas portuguesas, com 779 milhões de euros.


Em 2013, recorde-se, o "caso Semapa" levou à separação entre Pedro Queiroz Pereira e o Grupo Espírito Santo. "A guerra pelo controlo da Semapa acabou por ditar o fim das relações empresariais históricas entre as famílias Espírito Santo e Queiroz Pereira. Depois de meses de negociações, o GES aceitou, no início de Novembro, vender a quase totalidade das suas participações nas ‘holdings’ que controlam a cotada. Já Queiroz Pereira saiu da ES Control, ‘holding’ da família Espírito Santo sedeada no Luxemburgo onde detinha 7% e que acusou de opacidade", escrevia então o Negócios.

 

O diferendo que opôs o GES, Maude Queiroz Pereira (irmã de PQP) e a família Carrelhas a PQP na Semapa acabou por chegar ao fim em Dezembro desse ano, com o empresário a adquirir as posições daqueles accionistas.

 

Assim, depois de Pedro Queiroz Pereira acusar Salgado de querer tomar o poder da Semapa, e de Salgado negar essa intenção e acusar Queiroz Pereira de retaliações, o acordo deu-se com o "descruzamento" das participações nas "holdings" familiares. Pedro Queiroz Pereira saiu da "holding" da família, onde se tornara incómodo; o Grupo Espírito Santo retirou-se das sociedades que controlavam a Semapa. 

Outra das guerras que travou foi a da Cimpor. "No seu percurso empresarial, ficou célebre a guerra que travou com o Governo de António Guterres em 2001 por causa da Cimpor, empresa que tentou controlar, sem sucesso, tendo chegado a chamar mentiroso ao ministro das Finanças de então, Joaquim Pina Moura. Chegou a lançar uma oferta pública de aquisição sobre a cimenteira, em conjunto com a suíça Holcim, mas acabou por ver a Cimpor entregue ao bloco Teixeira Duarte, BCP e Lafarge. Que acabou por não ficar também a controlar a cimenteira. Esta operação fracassada era uma das suas grandes mágoas, atendendo a que a Cimpor acabou nas mãos do grupo brasileiro Camargo Corrêa, que a tem vindo a desmembrar", sublinha a edição online do Expresso.

Aquilo de que gostava: investir em fábricas

"Costuma dizer aos mais próximos que com o dinheiro que ganha podia comprar um palácio no sul de França. Mas Pedro Queiroz Pereira não gosta de palácios nem do sul de França. Prefere investir e inaugurar novas fábricas. E é o que tem feito, quase a uma média de uma por ano", escrevia o Negócios em Maio passado.

 

Foi nesse mesmo mês que a Semapa alargou o conselho de administração para o próximo quadriénio, de 11 para 14 elementos, dos quais três filhas de Queiroz Pereira – cumprindo assim as quotas [as empresas cotadas passaram a ter de ter pelo menos 20% do sexo feminino sub-representado nos órgãos de topo, um requisito exigido a estas empresas a partir da primeira assembleia geral electiva depois de 1 de Janeiro de 2018].

O empresário assegurou a sua sucessão. Escolheu gestores profissionais para a Secil, Navigator e Semapa, onde ficou apenas como "chairman", e criou um "family office" para organizar os negócios de família que um dia seriam herdados pelas suas três filhas - Mafalda, Lua e Filipa. 



(notícia actualizada às 09:43)



pub