Construção Mota-Engil facturou menos 9% em 2016

Mota-Engil facturou menos 9% em 2016

A Mota-Engil fechou o último exercício com um volume de negócios de 2,2 mil milhões de euros, menos 9% do que no ano anterior, de acordo com um comunicado do grupo onde avança com um conjunto de indicadores preliminares da sua actividade em 2016 não auditados.
Mota-Engil facturou menos 9% em 2016
António Mota, presidente da Mota-Engil
Rui Neves 15 de março de 2017 às 18:08

A carteira de encomendas da Mota-Engil atingiu, no final do ano passado, os 4,4 mil milhões de euros, dos quais quatro mil milhões têm origem nos mercados externos, anunciou o grupo esta quarta-feira, 15 de Março, num comunicado enviado à CMVM onde avança um conjunto de indicadores preliminares da sua actividade em 2016 não auditados.

 

Já o volume de negócios do grupo liderado por António Mota ficou-se pelos 2,2 mil milhões de euros, o que representa uma "redução de 9% face a 2015", mas que corporiza um "crescimento de 4% excluindo efeito cambial", sublinha o mesmo documento.

 

De acordo com o grupo, a margem operacional (EBITDA) registada no exercício de 2016 manteve-se nos 15%, enquanto a dívida líquida recuou 16% para 1,2 mil milhões de euros. O investimento líquido (aquisições menos alienações) foi de 67 milhões de euros.

 

No final do ano passado, aquando da apresentação do plano estratégico 2016-2020, a Mota-Engil colocou como meta aumentar o volume de negócios para quatro mil milhões de euros.


(Notícia actualizada às 18:24)



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Antonio Luis 16.03.2017

A Mota vendeu em 2016 a Tertir encaixou 245 M€, divida liquida caiu 16%, 255 M€, só a vender reduz passivo, não é com o EBITDA de 15% que o faz. Quando receber o valor da venda da Ascendi, cerca de 180 M€ ficará com net debt/EBITDA de cerca de 3,1, bad news, nada mais para vender.

RFPB 15.03.2017

E agora?

Saber mais e Alertas
pub