Banca & Finanças Mourinho Félix: Caixa já iniciou contactos para colocar dívida subordinada

Mourinho Félix: Caixa já iniciou contactos para colocar dívida subordinada

Mourinho Félix alerta para o potencial impacto dos problemas do Deustche Bank nas condições de mercado. Mas acredita num juro abaixo de 10% na colocação de dívida subordinada por parte da Caixa Geral de Depósitos
Mourinho Félix: Caixa já iniciou contactos para colocar dívida subordinada
Bruno Simão/Negócios
Negócios com Bloomberg 06 de Outubro de 2016 às 20:07

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) já começou a fazer contactos para colocar mil milhões de euros de dívida subordinada, uma das condições estabelecidas para que o plano de recapitalização avance. Mourinho Félix revelou, numa entrevista à Bloomberg TV, que a administração do banco público "já começou a contactar o mercado e que os contactos preliminares são bastante promissores no que diz respeito a colocar o montante total que é necessário".

O secretário de Estado das Finanças considera que a operação pode ser feita a um preço "aceitável". Referiu que "os números iniciais apontavam para um nível de 10%, mas tenho a certeza que com um ‘roadshow’ bem feito e com a divulgação de informação, possa descer". No entanto, Mourinho Félix advertiu que isso dependerá das condições do mercado. Uma taxa de "8% seria o valor que gostaríamos. Mas com todos os problemas com o Deutsche Bank, isso cria risco adicional para os bancos".

Já em relação ao problema do crédito malparado, o secretário de Estado das Finanças refere que a possibilidade de criar um veículo para ajudar a banca a lidar com o crédito malparado "está em cima da mesa". Mas adverte que "o Sistema bancário deve estar consciente de que precisam de liderar o processo de resolver o problema do crédito em incumprimento nos seus balanços".

No máximo, a operação de recapitalização da CGD ascenderá a 5.160 milhões de euros. Além da conversão de "CoCos" e das acções da Parcaixa, a CGD receberá um máximo de 2.700 milhões de dinheiro fresco e terá de levantar 1.000 milhões de euros de dívida com "elevada subordinação" junto de investidores privados, de acordo com o plano acordado com Bruxelas.

Tal como avançou o Negócios a 4 de Outubro, o Governo pode avançar com uma capitalização faseada da CGD, havendo margem para concretizar um aumento de capital de 1.460 milhões de euros até ao final do ano sem necessidade de o Estado ter de mobilizar dinheiro fresco.

Este valor pode ser assegurado com a conversão em capital dos 900 milhões de euros de instrumentos de capital contingente ("CoCos") já subscritos pelo Estado, a que acrescem 60 milhões de juros corridos, e com a transferência para a CGD dos 49% da Parcaixa detidos pela Parpública, avaliada em 500 milhões.




A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas

Os contactos são os velhinhos e velhinhas a quem a vão vender como se tratasse de um depósito a prazo.

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

@Paulo Bento, leste bem. Acontece quando a dívida não tem a garantia do BCE. Esta é garantida pelo estado português, por isso...já estás a ver como estamos???

ordep Há 3 semanas

Vou arriscar, sabendo que posso perder tudo, mas depois não venho para as redes sociais lamentar-me ou manifestar-me à porta da Caixa.

Anónimo Há 3 semanas

McKinsey em todo o seu esplendor e a facturar como nunca aqui neste Portugal

Paulo Bento Há 3 semanas

Li bem ???Juros a 10 % ????

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub