Telecomunicações MP do Brasil pede abertura de inquérito para apurar supostas irregularidades na Oi

MP do Brasil pede abertura de inquérito para apurar supostas irregularidades na Oi

O Ministério Público Federal (MPF) do Rio de Janeiro, no Brasil, pediu à Polícia Federal a instauração de um inquérito para averiguar supostas irregularidades que teriam prejudicado os accionistas minoritários da gigante de telecomunicações Oi.
MP do Brasil pede abertura de inquérito para apurar supostas irregularidades na Oi
Reuters
Lusa 22 de Novembro de 2016 às 21:49

A informação foi confirmada hoje à agência Lusa por fonte do MPF, que adiantou apenas que "o processo encontra-se sob sigilo", sem responder a mais perguntas.

 

A notícia foi avançada pelo diário brasileiro Valor Económico, segundo o qual o pedido, feito a 26 de Setembro passado, consiste no desdobramento do inquérito aberto a partir de denúncias da Associação Nacional de Protecção dos Accionistas Minoritários (ANA).

 

A 2 de Agosto deste ano, a organização apresentou uma queixa contra administradores da Oi, por não terem levado à justiça supostos prejuízos causados pela Pharol (ex-Portugal Telecom) e pelo Santander Brasil, autor do documento técnico de avaliação dos ativos da Portugal Telecom utilizados no aumento de capital da Oi em 2014.

 

A associação alegou que houve "omissão dolosa" da parte dos administradores, defendendo que deveriam ter levado à justiça os responsáveis pelo aporte da Rioforte (empresa não financeira do grupo Espírito Santo) no capital da Oi.

 

A Rioforte deixou de pagar um empréstimo de 897 milhões de euros à Portugal Telecom.

 

Para os minoritários, também houve "superavaliação dos activos em Portugal e África" no documento técnico elaborado pelo Santander Brasil.

 

A Pharol detém 27% da Oi, sendo o maior accionista individual da operadora, que enfrenta um processo de recuperação judicial, com um total de 65,4 mil milhões de reais (18,33 mil milhões de euros) de dívidas.

 

A Oi disse à Lusa que não irá comentar o caso.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Mas avisarem os obrigacionistas PT sobre essa operação esqueceram-se eles (nunca na vida investiria numa empresa brasileira).

Corruptos e incompetentes.

pub
pub
pub
pub