Energia Mudar de fornecedor de luz e gás vai ser mais fácil em 2017

Mudar de fornecedor de luz e gás vai ser mais fácil em 2017

A partir do próximo ano, os portugueses vão ter uma plataforma online onde podem consultar as tarifas energéticas para escolherem os seus fornecedores
Mudar de fornecedor de luz e gás vai ser mais fácil em 2017
DR
André Cabrita-Mendes 14 de Outubro de 2016 às 14:30

O Governo de António Costa quer facilitar a mudança de fornecedor de electricidade e de gás natural em 2017. Para isso, vai criar o Operador Logístico de Mudança de Comercializador (OLMC), cujo objectivo é facilitar a mudança entre fornecedores de energia e promover a concorrência.


A plataforma online deverá arrancar no início do segundo trimestre do próximo ano, pois a criação do operador vai ser feita durante o primeiro trimestre, segundo a proposta final do Orçamento do Estado a que o Negócios teve acesso.

A actividade do OLMC vai ser exercida por uma única entidade que responde perante o membro do Governo responsável pela área de energia, que actualmente é o Secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches.

Esta entidade fica incumbente de efectivar o direito a informação dos consumidores e de garantir que a mudança de comercializador de electricidade e gás natural pelo consumidor final e efectuada de forma célere e baseada em regras e procedimentos simples, transparentes, padronizados e desmaterializados", pode-se ler no documento.

Ainda recentemente a Comissão Europeia relembrou que este operador logístico "ainda não está a funcionar". Esta era uma medida que também era exigida pela troika, mas que até à data não tinha avançado.

O OLMC quer assim "colaborar na transparência dos mercados de electricidade e de gás natural, disponibilizando aos consumidores finais o acesso fácil a informação a que tem direito, nomeadamente a operacionalização das mudanças de comercializador nos mercados de electricidade e de gás natural".


Entre os seus objectivos também estão a "gestão e manutenção da plataforma electrónica de logística de mudança de 
comercializador e a prestação de informação personalizada aos consumidores de energia".




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado jralha59 Há 3 semanas

Ridículo. Para reduzir custos, aumentam-se custos com a criação de mais uma entidade pública para meter mais uns "boys"

comentários mais recentes
Nuno Alves Há 3 semanas

Já o é LOL.

jralha59 Há 3 semanas

Ridículo. Para reduzir custos, aumentam-se custos com a criação de mais uma entidade pública para meter mais uns "boys"

Anónimo Há 3 semanas


FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

CGA Sempre a roubar à grande

Ninguém põe em causa que os médicos, os juízes, por aí fora, tenham pensões altas, e mais altas do que quem ganhou menos e, portanto, descontou menos.
Não é isso, de maneira nenhuma, que está em causa.
O que está em causa é saber se as pessoas recebem aquilo (para) que descontaram ou se recebem mais ou muito mais, e, em caso afirmativo, como é que isto é possível. Pelos vistos não é possível, neste concreto sentido: não é sustentável.

E tanto não é que um médico que se reforme agora, em 2016, fica a ganhar menos do que um com as mesmas qualificações e porventura até menos anos de desconto que se tenha reformado em... 2008.
Durante anos disse aos funcionários públicos: vocês andarão a trabalhar no duro para pagar pensões exorbitantes de colegas vossos que meteram os papéis para a reforma dois ou três anos antes de vocês.
Diziam-me que tal nunca aconteceria, e que as reformas subiriam sempre.

Ao que eu lhes respondia: a CGA é um esquema em pirâmide: quando falir, vai tudo ao ar, vocês vão ter de trabalhar mais do que os vossos antecessores e vão receber menos.
Diziam-me que eu era mais um que punha públicos contra privados.
Ora aí está: veja quanto é que diminuíram as pensões dos funcionários públicos nos últimos 8 anos.
Isto só mostra uma coisa: o esquema que funcionou para uma geração dourada não funcionará mais.
E andámos nós todos a pagar os "direitos adquiridos".

E andamos, ainda hoje, a pagar-lhes um poder de compra muito superior ao nosso.
Nós (quer funcionários públicos quer do privado), que trabalhamos mais anos do que eles, recebemos menos de salário e receberemos menos de reforma.

Diga-me onde está a justiça disto.


Anónimo Há 3 semanas


FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


O peso da CGA


Enquanto o peso da despesa com pensões da CGA representa quase 40% do total de pensões pagas em Portugal, o número de pensionistas da CGA não chega a 17% do total de beneficiários.

Entre 2000 e 2013, a despesa com pensões da CGA aumentou mais de 150%.

E considerando apenas a evolução após 2010, os encargos com pensões da CGA subiram 25%, contra 9% da Segurança Social.

pub
pub
pub
pub