Concorrência & Regulação Multa da Concorrência à Associação de Farmácias reduzida em mais de 90% por tribunais

Multa da Concorrência à Associação de Farmácias reduzida em mais de 90% por tribunais

O tribunal da Concorrência já tinha cortado a coima aplicada pelo regulador. A Relação volta a dar novo corte. Mais de 90% face ao valor aplicado pela supervisora. A Autoridade da Concorrência pondera "a reacção processual mais adequada".
Multa da Concorrência à Associação de Farmácias reduzida em mais de 90% por tribunais
Correio da Manhã
Alexandra Machado 23 de junho de 2017 às 16:56

A coima aplicada pela Autoridade da Concorrência à Associação Nacional de Farmácias e às participadas Farminveste e HMR foi reduzida em praticamente todo o seu valor. O Tribunal da Relação de Lisboa reduziu o valor para 815 mil euros, face aos 10,34 milhões de euros aplicados pela Concorrência, valor que já tinha sido reduzido na primeira instância. A condenação por abuso de posição dominante por esmagamento de margens foi, no entanto, confirmada, realça a Autoridade da Concorrência, em declarações ao Negócios, explicando que a redução da coima se deveu ao facto de a Relação ter considerado "não dever ser responsabilizada a sociedade-mãe do grupo ANF, que consolidava a maior parte do volume de negócios do grupo. A absolvição da sociedade-mãe determinou consequentemente a redução do montante global das coimas".

A AdC diz estar a "ponderar a reacção processual mais adequada".


A condenação por abuso de posição foi, no entanto, confirmada, ainda que logo na primeira instância - no Tribunal da Concorrência, de Santarém - a coima tivesse sido reduzida para 7 milhões de euros. As empresas tinham recorrido para a Relação depois desta decisão e agora este tribunal de recurso voltou a baixar o valor da multa.

O valor final fica reduzido em 92% face à sanção atribuída pela Concorrência, e em 88% face ao valor fixado pelo Tribunal da Concorrência.

"Apesar do extraordinário significado desta redução, continuamos a discordar profundamente da aplicação de qualquer coima", comenta a Associação Nacional de Farmácias (ANF) em comunicado, acrescentando estar convencida que "a
 ANF e as suas participadas agiram sempre no estrito cumprimento das leis da concorrência".

A Autoridade da Concorrência tinha acusado a Associação Nacional de Farmácias e três outras sociedades do mesmo grupo - a Farminveste SGPS, a Farminveste – Investimentos, Participações e Gestão e a HMR – Health Market Research - de abuso de posição dominante nos dados comerciais das farmácias e estudos de mercado.

O caso resultou numa investigação da Autoridade da Concorrência que concluiu que entre 2010 e 2013 os "preços praticados pelo grupo ANF na venda de dados comerciais das farmácias, quando comparados com os preços praticados pelo mesmo grupo na venda de estudos de mercado baseados naqueles dados, não permitiam a um concorrente na venda de estudos de mercado, ainda que igualmente eficiente, obter uma margem suficiente para cobrir os custos de produção". 


A ANF defende que até 2009 o mercado era monopolista, pelo que a criação nesse ano da HMR "
foi por isso um acto extraordinariamente favorável à concorrência e não o contrário", já que, segundo diz, "a qualidade dos produtos melhorou e os preços desceram".

(Notícia actualizada às 18:30 com posição da Autoridade da Concorrência)




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas

E uma vez mais fica preto no branco que ser criminoso em Portugal compensa!!! Compensa nos ajustes directos, compensa nas obras públicas com orçamentos, condições e prazos de contrução altamente questionáveis, compensa não pagar os impostos porque o governo cria uma linha para regularizar dividas com desconto, compensa na máfia do sector da saúde, compensa na máfia do sector dos transportes, compensa na máfia do sector bancário com CGD a encabeçar a lista e os seus BOYS..
Este país não é para gente séria!!!

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

E uma vez mais fica preto no branco que ser criminoso em Portugal compensa!!! Compensa nos ajustes directos, compensa nas obras públicas com orçamentos, condições e prazos de contrução altamente questionáveis, compensa não pagar os impostos porque o governo cria uma linha para regularizar dividas com desconto, compensa na máfia do sector da saúde, compensa na máfia do sector dos transportes, compensa na máfia do sector bancário com CGD a encabeçar a lista e os seus BOYS..
Este país não é para gente séria!!!

pertinaz Há 3 semanas

ANF é uma máfia, mas neste caso tem razão...

Alvaro Há 3 semanas

Não percebo o corte. Mais, a qualificação do tribunal ou quais os qualificantes para fazer tal redução. Eu sou multado por estacionar no passeio (e a autoridade passa de carro, nem fala com o condutor) e estes senhores levam um desconto de 90%. Eu vou mas é imigrar e deixar isto arder. Ontários.

Anónimo Há 3 semanas

As maiores e mais poderosas mafias lusas são socialistas.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub