Tecnologias Multinacionais queixam-se da falta de programadores em Portugal

Multinacionais queixam-se da falta de programadores em Portugal

Treze centros de serviços globais que operam em Portugal estimam a contratação de 3.700 pessoas nos próximos dois anos, indica um inquérito realizado pela plataforma Talent Portugal.
Multinacionais queixam-se da falta de programadores em Portugal
Bloomberg
António Larguesa 10 de Novembro de 2016 às 13:51

Programadores de tecnologias de informação, fluentes em línguas de nicho, engenheiros e falantes de língua francesa. São estas as quatro competências que os presidentes dos centros de serviços globais instalados em Portugal mais têm dificuldade em encontrar no mercado de trabalho.

 

Segundo um inquérito feito em Outubro pela Talent Portugal, uma comunidade recém-formada para atrair profissionais para empresas tecnológicas e centros de serviços globais presentes no país, estas organizações estão já a adoptar várias medidas para tentar inverter esta realidade e "captar mais e melhores candidatos".

 

"Estão a apostar em ‘employer branding’ – técnica para melhorar a percepção da empresa juntos dos colaboradores e candidatos –, nas perspectivas de evolução de carreira e na ligação às universidades, sendo que acreditam que o facto de serem uma marca global, que vive muito da referência pessoa a pessoa e que está presente nas redes sociais, são os factores distintivos para que sejam reconhecidos no mercado do talento", frisa a entidade liderada por Luís Sottomayor.

 

Adidas, Webhelp, Concentrix, Infineon, Linde, Yazaki, Altran, Blip, Creative, Outsystems, Gfi, ITSector e Sitel. Foram estas as empresas que actuam a nível global, que participaram neste inquérito. Do total de mais de 5.500 colaboradores que trabalham nos seus centros de serviços em Portugal, 658 são luso-descendentes.

 

Para os próximos dois anos, os presidentes executivos destas empresas de referência antecipam a contratação de 3.700 novos colaboradores em Portugal. Mas para preencherem estas vagas de emprego, a solução terá de passar pela "reciclagem" de perfis, pela aposta na atracção de estrangeiros, por uma ajuda das entidades públicas na promoção deste sector e pelo reforço da ligação às universidades portuguesas.

 

Questionadas sobre a maior vantagem de Portugal em relação ao capital humano, os gestores apontaram, em primeiro lugar, a "qualificação dos recursos", por exemplo ao nível de competências técnicas, valorizando de seguida factores como a qualidade do serviço prestado e a "excelente relação qualidade/preço".

 

Por último, o sucesso de operações já instaladas, a estabilidade geo-política, a integração na Europa e a posição geográfica são as principais vantagens e os elementos que justificaram a escolha do país para instalar os seus centros de serviços, que a partir de Portugal dão resposta a vários países estrangeiros.




A sua opinião18
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 4 semanas

Exactamente como os outros comentadores anteriores sugeriram: querem programadores, paguem o que eles valem.
No fundo, não têm falta de programadores, têm é falta de escravos...

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Smartass, já trabalhei no UK, em Cork City e em Amsterdam. Por razões familiares estou em PT, e recebo todos os meses o mesmo tal e qual como no UK, não percebo essas taxinhas que falas. Como te disse o salário é anual, não importa em quantas prestações se recebe.

Escravo Há 3 semanas

Eu ganho 800 euros e assim que ganhar experiência (1, 2 anos) vou para o estrangeiro onde pagam bem mais.
Estas empresas querem escravos, utilizem estas empresas para ganhar experiência apenas e depois pensem em ganhar dinheiro a sério no estrangeiro ou onde pagem o valor que merecem.

Nuno Anjos Há 3 semanas

É curioso, que a realidade que se vê nos job adds, é de procurarem gente já com muita experiência, ora se há falta, essas pessoas estão empregadas, que tal serem mais realistas e darem mais formação!

Smartass Há 4 semanas

Ao anonimo dos "40k e pouco", nao percebo de onde tirou a ideia que recebo 40k ou que tenho 5 anos de experiencia... vou explicar mais devagar, aqui o salario e igual todos os meses. Nao ha subsidiozinhos, taxinhas, duodecimos, ou deducoezinhas. Muito simples calcular os impostos directos, percebe?

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub