Automóvel Musk confiante na compra da SolarCity pela Tesla

Musk confiante na compra da SolarCity pela Tesla

Elon Musk, fundador e presidente da Tesla Motors, afirma estar "confiante" na compra da empresa de painéis solares, onde também detém o cargo de presidência. Os investidores votarão a aquisição a 17 de Novembro.
Musk confiante na compra da SolarCity pela Tesla
Negócios 02 de Novembro de 2016 às 11:55

Musk afirmou aos analistas na passada terça-feira, 1 de Novembro, que estava confiante com a direcção dos votos dos investidores relativamente à compra da SolarCity, avaliada em 2,6 mil milhões de dólares (2,36 mil milhões de euros). "Os votos até agora têm sido largamente a favor… Eu acharia estranho se assim não acontecesse", acrescenta.

 

Alguns investidores, no entanto, estão contra o negócio, afirmando tratar-se de um conflito a combinação das duas empresas de Musk.

 

A compra da SolarCity traduz-se numa expansão do fabricante automóvel para o negócio de energias renováveis, avança a BBC. Elon Musk revela que o negócio poderá trazer um aumento de mil milhões de dólares às receitas da Tesla no próximo ano.

 

As duas empresas podem poupar 150 milhões de dólares em marketing no primeiro ano da fusão, ao anunciarem conjuntamente os veículos eléctricos e as baterias de armazenamento de energia da Tesla e os painéis solares da SolarCity, de acordo com a fabricante de automóveis citada pelo Wall Street Journal.

 

A Tesla, de acordo com a mesma fonte, tem vindo a preocupar-se com a estabilidade financeira da SolarCity, após esta ter angariado cerca de mil milhões de dólares nos últimos quatro meses. Já do lado do fabricante automóvel, a companhia apresentou um lucro de 22 milhões de dólares no último trimestre, o primeiro trimestre lucrativo desde 2013.

 

Elon Musk sublinha a existência de "certos opositores", incluindo fundos especulativos, relativamente à expansão da Tesla no mercado energético. No entanto, o presidente da companhia automóvel desvaloriza o seu poder, afirmando que as previsões do futuro das duas empresas são questionáveis.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub