Banca & Finanças Mutualistas do Montepio entram em parceria estratégica com grupo chinês

Mutualistas do Montepio entram em parceria estratégica com grupo chinês

China CEFC Energy Company Limited: é esta a designação da parceira que fechou um acordo com a Montepio Geral - Associação Mutualista. Haverá entendimentos em várias áreas, mas nunca na Caixa Económica Montepio Geral.
Mutualistas do Montepio entram em parceria estratégica com grupo chinês
Sábado
Diogo Cavaleiro 22 de setembro de 2017 às 15:12

O Montepio assinou uma parceria estratégica com o grupo privado chinês CEFC-Energy. O entendimento estende-se a diversos sectores, não especificados, mas não incluirá qualquer investimento na Caixa Económica Montepio Geral.

"A cooperação estratégica será implementada através de um conjunto de acordos específicos e projectos determinados a ser negociados e acordados ao critério de cada parte, que não incluirá, em nenhum dos casos, qualquer participação na Caixa Económica Montepio Geral", indica um comunicado da entidade presidida por António Tomás Correia.

 

Às redacções, a associação mutualista, que detém a Caixa Económica Montepio Geral, a seguradora Lusitânia e outros activos, assinala que a parceria visa "explorar e elaborar princípios de benefícios mútuos e de fortalecimento de vantagens competitivas".

 

A mutualista menciona, no dia em que foi assinado o acordo entre a mutualista e o administrador financeiro da mutualista, Miguel Teixeira coelho, e o vice-presidente do grupo chinês, Hongbing Wu, que o acordo de parceria prevê uma "cooperação empresarial multi-dimensional", sublinhando igualmente a ligação nos mercados globais.

 

O entendimento foi assinado, mas não há indicações claras sobre que negócios estão envolvidos. A mutualista detém a caixa económica, comandada por José Félix Morgado, que está fora do negócio e que se encontra num processo que visa a entrada de novos accionistas, mas do terceiro sector – o que não é o caso do grupo chinês. Antes desse investimento, a associação teve de injectar 250 milhões de euros num aumento de capital na instituição financeira. 

 

O Jornal Económico noticiou recentemente que a seguradora Lusitânia estava à venda. A mutualista está presente na gestão de activos e também nas Residências Montepio, na área da saúde.

Segundo o site oficial, o grupo privado chinês, centrado nos serviços financeiros e na energia, tem uma força de trabalho de cerca de 30 mil trabalhadores. Com presença no petróleo, o grupo foi fundado em 2002 por Ye Jianming, que se mantém como presidente da administração. Nos últimos dias, têm saído notícias da intenção de acções de cooperação do grupo chinês no Qatar (na área do gás natural), que está presente na Rússia e na República Checa. 



(Notícia actualizada às 16:00 com mais informações)



A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG Há 3 semanas

Tomás Correia, Melícias e seus lacaios (generosamente recompensados) agem, põem e dispõem como se o grupo Montepio fosse deles. Ou pior ainda, pois se fosse deles seriam mais cautelosos.
Teoricamente, o grupo Montepio que tem como núcleo central uma associação mutualista é dos cerca de 600 mil associados. Teoricamente, os associados terão o poder em última instância e exercem-no em assembleias gerais. Só que as AG's tornaram-se em autênticas farsas: normalmente decorrem num auditório com cerca de 300 lugares e dos participantes 90% ou mais são trabalhadores/ quadros do grupo que vão lá para defender outros interesses que não os de associados; quando há questões polémicas que podem chamar mais associados, pelo sim pelo não o grupo de TC mobiliza a estrutura hierárquica que se encarrega de arrebanhar os trabalhadores associados para votarem de forma acéfala e orquestrada e assim criar massa crítica para apoiar TC e seus apaniguados. É uma vergonha! A supervisão assobia para o lado


comentários mais recentes
JCG Há 3 semanas

Surpreendente! Sou associado do Montepio - Associação Mutualista há quase 40 anos e fico de facto surpreendido com tal parceria, pois não consigo perceber que afinidades para um qualquer casamento haverá entre uma associação mutualista portuguesa e um conglomerado chinês.

Há, todavia, uma certeza: todas estas manobras estratégicas são feitas à revelia dos mais de 500 mil associados do Montepio e conduzidas por gente que já devia ter sido afastada do Montepio há muito tempo, após os estragos enormes que já causaram no grupo e especialmente no seu banco.

Certamente as relações que Tomás Correia tem com o PS e com elementos que o podiam afastar e as relações do padre Melícias com todos os figurões do reino não serão irrelevantes.

Eu diria que Tomás Correia e os seus moços de espadas farão tudo para estoirar com o grupo Montepio e para desbaratar a hipótese de haver um banco médio detido por portugueses. É claro que depois fiscalizadores corruptos e relapsos lavarão daí as mão

Anónimo Há 3 semanas

Mas porque é que os 600.000 não largam e deixam os maus gestores gerirem os chineses ?

JCG Há 3 semanas

Tomás Correia, Melícias e seus lacaios (generosamente recompensados) agem, põem e dispõem como se o grupo Montepio fosse deles. Ou pior ainda, pois se fosse deles seriam mais cautelosos.
Teoricamente, o grupo Montepio que tem como núcleo central uma associação mutualista é dos cerca de 600 mil associados. Teoricamente, os associados terão o poder em última instância e exercem-no em assembleias gerais. Só que as AG's tornaram-se em autênticas farsas: normalmente decorrem num auditório com cerca de 300 lugares e dos participantes 90% ou mais são trabalhadores/ quadros do grupo que vão lá para defender outros interesses que não os de associados; quando há questões polémicas que podem chamar mais associados, pelo sim pelo não o grupo de TC mobiliza a estrutura hierárquica que se encarrega de arrebanhar os trabalhadores associados para votarem de forma acéfala e orquestrada e assim criar massa crítica para apoiar TC e seus apaniguados. É uma vergonha! A supervisão assobia para o lado


Anónimo Há 3 semanas

É lastimável que por incompetencia, incapacidade ou mesmo corrupção e estou a falar em geral e não especificamento do Montepio se abra a porta ao capital Chinês e outros parra salvarem aquilo que nós (alguns) destruiram pelas razões acima referidas e impunemente!!!

ver mais comentários
pub