Américas Neeleman confiante sobre Trump: “Acho que vai dar certo”

Neeleman confiante sobre Trump: “Acho que vai dar certo”

O empresário que detém a TAP acredita que Donald Trump “não vai ser mau” para a economia norte-americana. No entanto, ressalta o empresário, não deve seguir o caminho do proteccionismo.
Neeleman confiante sobre Trump: “Acho que vai dar certo”
Miguel Baltazar
Rita Faria 10 de Novembro de 2016 às 12:34

David Neeleman, fundador da brasileira Azul e um dos donos da TAP, está confiante de que a liderança de Trump "vai dar certo".

 

"É interessante. O povo americano está cansado da forma como os políticos fazem as coisas. Queriam alguém de fora, para fazer coisas novas", afirmou o empresário em declarações aos jornalistas, no Web Summit em Lisboa.

 

"Não estou nervoso, acho que vai ser interessante ver as mudanças. Estou um pouco curioso para ver como vai ser, mas acho que não vai ser mau", acrescentou.

 

Para o dono da TAP, a única preocupação relaciona-se com o proteccionismo, um caminho que a maior economia do mundo não deve seguir. "Essa é a minha primeira preocupação. Os Estados Unidos sempre foram um país muito aberto, e agora temos de ver se não vamos para esse caminho. Temos de ter uma economia mais aberta. Eu acho que vai dar certo", concluiu.

 

As declarações de David Neeleman foram proferidas à margem da conferência "Low fares vs. Low cost", que decorreu esta manhã, no Web Summit, em Lisboa.

 

Neste painel, o empresário explicou que foi a tradição de profissionalismo e de segurança que o fez apostar na portuguesa TAP. Além disso, sublinhou Neeleman, a companhia aérea "tem uma posição única na Europa. "E uma das coisas geniais foi que contrataram o Fernando Pinto", acrescentou. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub