Aviação Nem preços mais baixos convencem passageiros a embarcar num avião sem piloto

Nem preços mais baixos convencem passageiros a embarcar num avião sem piloto

Um relatório do UBS revela que as companhias aéreas poderiam poupar mais de 35 mil milhões de dólares com aviões sem piloto. Mas os passageiros parecem não estar interessados. Nem com a possibilidade de terem viagens mais baratas.
Nem preços mais baixos convencem passageiros a embarcar num avião sem piloto
Sara Matos
Sara Antunes 07 de agosto de 2017 às 13:30

Desenvolver tecnologia que permita que os aviões possam ser auto-pilotados pode trazer "benefícios económicos relevantes" para as companhias aéreas e poderá ajudar a aumentar a segurança. Quem o diz é o UBS que publicou um relatório esta segunda-feira, 7 de Agosto, sobre aviões sem piloto.

 

O banco suíço diz que as companhias aéreas poderiam poupar mais de 35 mil milhões de dólares (29,7 mil milhões de euros) por ano com a introdução de aviões sem piloto. Estas poupanças seriam geradas com a redução dos custos com os pilotos, menores prémios de seguros e menores custos de combustível, diz o relatório citado pelo Financial Times.

 

O primeiro passo, diz o banco suíço, seria reduzir o número de pilotos no cockpit para apenas um piloto, tendo ainda um piloto remoto em terra.  


Contudo, parece haver um grande entrave a esta realidade: os passageiros. Mais de metade das 8.000 pessoas inquiridas para este estudo do UBS dizem que se recusariam a viajar num avião sem piloto. E nem o facto de poderem ter acesso a preços dos bilhetes mais baixos os faria mudar de ideias, revela o The Guardian, que cita o mesmo estudo.

 

"Cerca de 54% dos inquiridos dizem que era improvável que viajassem num avião sem piloto, enquanto apenas 17% dizem que provavelmente viajariam" nestas condições. "Surpreendente, talvez, é que metade dos inquiridos diz que não comprariam bilhetes de avião sem piloto mesmo que fossem mais baratos", diz o mesmo relatório, citado pelo Guardian.


Apesar do UBS considerar que "a aceitação [deverá] crescer ao longo do tempo", as previsões do banco de investimento apontam para que os aviões de carga sejam pilotados sem piloto em 2025. Já em relação às viagens de passageiros, será preciso esperar até meados do século antes das pessoas terem confiança suficiente para embarcarem num avião pilotado apenas por máquinas.