Indústria Nestlé prevê abrandamento das receitas em 2017

Nestlé prevê abrandamento das receitas em 2017

A fabricante de alimentos suíça antecipa que o crescimento das receitas irá abrandar em 2017 numa altura em que a empresa atravessa um processo de reestruturação através do qual pretende recuperar os anteriores níveis de crescimento.
Nestlé prevê abrandamento das receitas em 2017
Bloomberg
Negócios com Bloomberg 16 de fevereiro de 2017 às 08:24

A Nestlé espera que as receitas cresçam entre 2% e 4% durante o presente ano de 2017, revelou esta quinta-feira, 16 de Fevereiro, a fabricante de alimentos.

 

Valores que comparam com a meta média de longo prazo definida no intervalo entre 5% e 6% e com o crescimento das receitas de 3,2% alcançado em 2016, que além de ter ficado aquém das estimativas dos analistas que previam um avanço das receitas de 3,4%, foi também o pior registo em pelo menos 10 anos.

 

A empresa detentora de marcas como a Nespresso ou o KitKat estima também um abrandamento das vendas e dos lucros neste ano, isto numa altura em que o CEO da Nestlé, Mark Schneider, continua a realizar esforços para reestruturar a companhia lhe providenciar maior margem de crescimento.

 

A agência Bloomberg recorda que tal como outras empresas produtoras de bens enfrentou maiores dificuldades ao longo dos últimos anos de deflação na Europa. Também a penalizar a empresa estão as regras mais restritas aplicadas ao segmento de alimentos para bebés no mercado chinês, bem como a inflação na Rússia e Brasil.

 

"Por forma a assegurar a capacidade futura de gerar lucros, planeamos aumentar consideravelmente os custos com a reestruturação [da empresa] em 2017", disse a Nestlé em comunicado emitido esta quinta-feira.

 

A multinacional suíça divulgou também ter obtido lucros operacionais de 13,7 mil milhões de dólares em 2016, menos do que os 13,9 mil milhões de dólares antecipados pelos analistas.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar