Tecnologias Netflix em máximos de sempre após aumento de subscritores acima do esperado

Netflix em máximos de sempre após aumento de subscritores acima do esperado

A plataforma de distribuição de conteúdos está a disparar acima de 10% para máximo histórico, o que acontece depois de a tecnológica ter registado um aumento maior do que esperado de subscritores, compensando os lucros abaixo do estimado.
Netflix em máximos de sempre após aumento de subscritores acima do esperado
DR
Negócios com Bloomberg 18 de julho de 2017 às 16:08

As acções da Netflix estão a disparar 10,22% para 178,227 dólares na sessão desta terça-feira, 18 de Julho, num dia em que já chegaram a disparar mais de 17% para 179,15 dólares, o valor mais alto desde que a empresa passou a negociar em bolsa, em Maio de 2002.

 

A valorização dos títulos da plataforma de distribuição de vídeos apresentou os resultados referentes ao segundo trimestre nesta segunda-feira, já depois do fecho de Wall Street.

 

Entre Abril e Junho, a Netflix granjeou mais 5,2 milhões de subscritores do serviço de streaming, mais 2 milhões do que estimavam os analistas, sendo que mais de 4 milhões desses novos utilizadores foram conquistados nos mercados externos aos Estados Unidos.

 

Nesta altura, o serviço fornecido pela Netflix conta já com mais de 52 milhões de subscritores fora dos EUA, o que contribui para que a empresa estime que 2017 será o primeiro ano em que as operações internacionais da cotada americana vão ser rentáveis.

 

Esta evolução permitiu que no segundo trimestre as audiência no exterior dos EUA tenham superado, pela primeira vez, o volume de audiências registado ao nível doméstico. No total, a empresa conta com praticamente 104 milhões de subscritores.

 

O crescimento sustentado do serviço fornecido pela Netflix permitirá, de acordo com um estudo do Instinet, citado pela Bloomberg, que até ao final de 2017 a plataforma seja subscrita por 20% das famílias em cinco dos maiores mercados do serviço fora dos EUA.

 

Porém, apesar do forte aumento de subscritores, em especial nos mercados externos, os lucros da tecnológica continuam a deixar a desejar. No segundo trimestre, o lucro da Netflix foi de 66 milhões de dólares (15 cêntimos por acção), abaixo da estimativa média de 16 cêntimos antecipada pelos analistas consultados pela Bloomberg.

 

Desde o início deste ano, as acções da Netflix acumulam uma valorização de 44,16% para uma capitalização bolsista que se fixa actualmente em quase 77 mil milhões de dólares. Nos últimos 12 meses, a cotada acumula uma valorização de praticamente 80%.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub