Media Netflix quer levantar 1.600 milhões em dívida para financiar novos conteúdos

Netflix quer levantar 1.600 milhões em dívida para financiar novos conteúdos

O valor que deverá ser levantado esta segunda-feira no mercado deverá ajudar ao investimento em produção a realizar no próximo ano - 7.000 a 8.000 milhões de dólares - passando de 50 filmes produzidos este ano para 80 filmes no próximo.
Netflix quer levantar 1.600 milhões em dívida para financiar novos conteúdos
Bloomberg
Paulo Zacarias Gomes 23 de outubro de 2017 às 16:47
A plataforma de televisão Netflix procura esta segunda-feira, 23 de Outubro, financiar-se em 1.600 milhões de dólares (1.361 milhões de euros à cotação actual) através de uma emissão de dívida para suportar o investimento no desenvolvimento de conteúdos originais no cinema e na televisão.

De acordo com o Financial Times, a concretizar-se, esta deverá ser a maior operação do género levada a cabo pela empresa, que no terceiro trimestre viu a base de cliente/subscritores crescer a um ritmo superior ao esperado.

A emissão de dívida está a ser liderada pelo Morgan Stanley e conta ainda com o Goldman Sachs, o JPMorgan, o Deutsche Bank, o Wells Fargo e a Allen & Company.

Em causa estão obrigações com maturidade em 2028 (11 anos). Depois de conhecida a operação, os juros a que as obrigações negoceiam em mercado secundário agravaram 5 pontos base para 4,41%, de acordo com o FT.

No ano que vem, a companhia conta investir entre 7 e 8 mil milhões de dólares (5.900 e 6.800 milhões de euros) no desenvolvimento de novos conteúdos para distribuir na sua plataforma. Este valor é cerca de 25% acima do que foi gasto em 2017.

Com o montante previsto para 2018 a empresa espera produzir cerca de 80 filmes, contra cerca de 50 que produziu este ano, segundo o administrador responsável pela área de conteúdos, Ted Sarandos, citado pela Variety.

As acções da Netflix recuam 0,28% para 193,61 dólares.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar