Automóvel Nissan vende negócio de baterias para carros eléctricos

Nissan vende negócio de baterias para carros eléctricos

O negócio da AESC, uma parceria entre a francesa Nissan e a japonesa NEC, vai passar para mãos chinesas, numa altura em que o país se quer virar para o mercado da mobilidade eléctrica.
Nissan vende negócio de baterias para carros eléctricos
Negócios 08 de agosto de 2017 às 11:10

A Nissan e a NEC decidiram vender o seu negócio conjunto de baterias eléctricas recarregáveis à chinesa GSR Capital, escreve o Financial Times (FT) esta terça-feira, 8 de Agosto.

Com a operação, as duas empresas saem de uma indústria que, apesar de popular, requer muito capital. A AESC, sigla de Automotive Energy Supply Corporation, foi criada em 2007.


Segundo o FT, a Nissan estava à procura de um comprador para os seus 51% deste o ano passado. Já a japonesa NEC também tinha estado a negociar com a GSR Capital sobre a sua participação.


A Nissan assumirá primeiro o controlo total da AESC, esperando depois concluir a venda aos novos donos até Dezembro deste ano, tendo a operação de passar pelo crivo dos reguladores.


Apesar de não ter sido divulgado o valor do negócio por parte da Nissan, em Maio era referido um preço à volta dos mil milhões de dólares, cerca de 850 milhões de euros.


"Planeamos investir em investigação e desenvolvimento, expandir a capacidade nos Estados Unidos, Reino Unido e Japão e ainda abrir novas fábricas na China e Europa", traçou o líder da GSR Capital, Sonny Wu.


O mercado dos carros eléctricos é um dos interesses da China para os próximos anos, depois de Pequim ter apelado às suas fabricantes automóveis que dupliquem a capacidade de produção de baterias eléctricas até 2020.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub