Turismo & Lazer No Baccarat Hotel está tudo à venda, até candelabros de 216 mil dólares

No Baccarat Hotel está tudo à venda, até candelabros de 216 mil dólares

Quando os hóspedes se sentam no bar ou no salão do Baccarat, recebem dois cardápios: um de comida e bebidas e outro de cristais.
Bloomberg 29 de outubro de 2017 às 10:00


Na maioria das noites, o bar vermelho do Barracat Hotel, em Nova York, vibra com mulheres com casacos de peles, cujas unhas pintadas e jóias enormes brilham sob a luz reflectida de candelabros de cristal de 127.400 dólares.


Alguns bebem garrafas de Dom Pérignon Plénitude, de 895 dólares, em taças de champanhe que custam 290 dólares; outros, uma versão de 250 dólares do cocktail  Vieux Carré servido em copos de whisky de 310 dólares.


E agora todos poderão pedir a sua bebida preferida e levar também os copos da Baccarat.

Num programa que será lançado em Novembro após meses de testes, o primeiro hotel da fabricante francesa de cristal vai vender os seus tesouros aos clientes. Os brilhantes vasos Eye encontrados nas mesas de cabeçeira das suítes de prestígio poderão ser seus por 440 dólares; no pequeno salão, os castiçais Zénith com cortes diamante e dardos pendurados podem ser adicionados à sua conta por 2.505 dólares cada. Talvez você tenha notado o vaso Belle Époque, de edição limitada, no Grand Salon? Custa 37.000 dólares. Até mesmo os enormes candelabros da entrada podem ser seus, basta passar o cartão de crédito. São os artigos mais caros à venda e custam impressionantes 216.600 dólares.


Para Hermann Elger, director de operações da Baccarat Hotels and Resorts e director administrativo da propriedade de Nova Iorque, isto não é fazer compras, é uma "aquisição com uma experiência". E embora o catálogo oficial de itens do hotel inclua uma selecção de 180 peças, diz que, pelo preço certo, "tudo pode estar à venda".


Como funciona


Quando os hóspedes se sentam no bar ou no salão do Baccarat, recebem dois cardápios: um de comida e bebidas e outro de cristais.


Refinar o argumento de vendas tem sido um processo de meses, disse Elger, que queria ter certeza de que não iria prejudicar a missão do hotel, oferecer um serviço de alto nível. A solução foi uma pitada de humor. "O empregado anotará o seu pedido de comida e bebida e depois perguntará: Gostaria de pedir também algum cristal?", disse.


O que quer que compre aparecerá na sua conta, logo abaixo do hambúrguer de 32 dólares com paté de trufa preta ou da taça de Cristal Brut de 80 dólares, e será enviado directamente para o endereço de sua preferência numa caixa vermelha da Baccarat. O único detalhe é que, se quiser as taças de champanhe com as quais acabou de brindar por seu noivado, não terá sorte. Todos os produtos são enviados pela loja principal da Baccarat em Nova Iorque, o que significa que os clientes compram versões idênticas dos produtos de cristal que utilizaram — não os itens que de facto utilizaram, com uma carga sentimental.


A fórmula já mostrou que é poderosa. "Fizemos algumas das nossas maiores vendas às 22:30 de uma noite de domingo", disse Elger. "Qual a hipótese de que um hóspede ainda esteja no mesmo clima para fazer esse tipo de compra [na nossa loja principal] na manhã seguinte? Não é tão provável."

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar