Banca & Finanças No combate ao crédito malparado Portugal é um exemplo em Bruxelas

No combate ao crédito malparado Portugal é um exemplo em Bruxelas

  O vice-presidente da Comissão Europeia responsável pelo Euro, Valdis Dombrovskis, considerou hoje que a Europa está a fazer um bom trabalho no combate ao crédito malparado, e apontou Portugal entre os exemplos de acção efectiva.
No combate ao crédito malparado Portugal é um exemplo em Bruxelas
Bloomberg
Lusa 11 de julho de 2017 às 13:07

Na conferência de imprensa no final da reunião de ministros das Finanças da UE (Conselho Ecofin), Dombrovskis apontou que "o ponto mais importante na agenda de hoje era enfrentar o crédito malparado" e comentou que "o trabalho nesta área está em curso e o rácio de empréstimos não liquidados está a descer", tendo ilustrado com os "exemplos" de Irlanda, Espanha, Itália e Portugal.

 

Depois de saudar as "reformas profundas no sector bancário" em Irlanda e Espanha - assinalando que em Espanha o rácio de crédito malparado desceu de 8,8% em Dezembro de 2014 para abaixo dos 6% em Dezembro do ano passado - e as recentes decisões sobre os bancos em Itália, que levaram a uma redução dos empréstimos não liquidados no sector bancário na ordem dos 13%, Dombrovskis acrescentou o exemplo português.

 

"Em Portugal, recentes transacções no Novo Banco e na Caixa Geral de Depósitos contribuíram para fazer face ao crédito malparado de forma decisiva", disse, concluindo que "a Europa está, portanto, no caminho certo", embora seja "necessário acelerar a acção".

 

Por esta razão, saudou o plano de acção da nova presidência estónia semestral rotativa do Conselho da UE para enfrentar o problema do crédito malparado.

 

Portugal esteve representado na reunião pelo secretário de Estado Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, que na segunda-feira à noite, no final do encontro do Eurogrupo, apontou que foi debatido "o quadro legal de insolvência e a harmonização das leis de insolvência ao nível dos Estados europeus, como uma forma de facilitar a criação de mercado para o crédito malparado".

 

"Tive a oportunidade de transmitir aos meus colegas aquilo que foram as medidas tomadas pelo Governo português no passado mês de maio e que melhoraram e que tornaram o enquadramento legal português mais adequado para aquilo que é a necessidade de lidar com um problema que reconhecemos e em que estamos a trabalhar com bastante afinco, que é a questão dos NPL" (a sigla em inglês para "Non-Performing Loans", os empréstimos malparados), declarou o secretário de Estado.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Noticia desesperante para os habitués 11.07.2017

destas andanças. Fazer "filhos em mulheres alheias" era o must. Desde investir sem dinheiro, até investir 1 de 1000 tudo servia (e serve) para se considerarem salvadores da pátria e o pomposo nome de investidor. Como em tudo na vida (parece) que cada vez mais se torna difícil a vigarice lesiva

o BAKINTER anda de VOLTA do BCP 11.07.2017

o BAKINTER anda a sobrevoar o MILENIUM BCP por causa do BREXIT lá na TERRA deles eles querem um porto seguro

Anónimo 11.07.2017

Não tenho rendimentos para sustentar as vossas vidas vividas acima das vossas possibilidades. Desinchem.

Camponio da beira 11.07.2017

Estes cavalheiros, têm cá uma piada...devem concerteza pensar que com estas piadas chegam ao nivel do Grande Solnado, mas enganem-se ele era unico e de nós vão uns simples sorrisos amarelos.

pub