Bolsa Nokia afunda mais de 13% em bolsa após cortar previsões

Nokia afunda mais de 13% em bolsa após cortar previsões

As acções da Nokia afundaram em bolsa após a empresa ter revisto em baixa as suas previsões para a unidade de redes.
Nokia afunda mais de 13% em bolsa após cortar previsões
Bloomberg
Sara Antunes 26 de outubro de 2017 às 09:37

As acções da Nokia estão a registar uma queda pronunciada, descendo 11,69% para 4,504 euros, tendo chegado a deslizar um máximo de 13,76% para 4,398 euros, o que corresponde à queda mais acentuada dos últimos cinco anos e a um mínimo de Fevereiro de 2017. Em causa estão os resultados e as previsões que a tecnológica fez para o mercado de infra-estruturas.

 

A Nokia revelou esta quinta-feira, 26 de Outubro, as suas contas do terceiro trimestre, reportando um resultado antes de impostos e juros (EBIT) de 668 milhões de euros, mais 20% do que há um ano. Este número superou as previsões dos analistas consultados pela Reuters, que apontavam para um EBIT de 541 milhões de euros.

 

Contudo, a unidade de redes, a mais importante actualmente para a Nokia, registou uma quebra de 9% das receitas para 4,8 mil milhões de euros, ao mesmo tempo que os resultados operacionais deslizaram 23% para 334 milhões de euros. Os analistas consultados pela Reuters estimavam receitas de 5 mil milhões de euros e resultados operacionais de 432 milhões de euros.

 

Além disso, a tecnológica prevê agora uma queda entre 4 a 5% no mercado de infra-estruturas este ano, quando a anterior previsão apontava para uma descida entre 3 e 5%.

 

"A queda… é resultado de múltiplas transições tecnológicas em curso; da concorrência robusta da China; e alterações de curto prazo devido a uma potencial consolidação de operadores em alguns países", salientou o presidente executivo da Nokia, Rajeev Suri, num comunicado, citado pelo Economic Times. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar