Tecnologias Nokia desliza mais de 7% para mínimos de 2013 após resultados

Nokia desliza mais de 7% para mínimos de 2013 após resultados

A finlandesa reportou prejuízos no terceiro trimestre do ano. O administrador financeiro demitiu-se. Os investidores reagiram, provocando uma queda acentuada das acções, que tocaram em mínimos de 2013.
Nokia desliza mais de 7% para mínimos de 2013 após resultados
Bloomberg
Negócios 27 de Outubro de 2016 às 18:40

As acções da Nokia desceram 7,61% para 4,324 euros esta quinta-feira, 27 de Outubro, a reflectirem os resultados do terceiro trimestre e a demissão do administrador financeiro. As acções chegaram a deslizar mais de 9% para os 4,254 euros, o valor mais baixo desde Setembro de 2013.

 

A Nokia apresentou no último trimestre um prejuízo líquido de 125 milhões de euros, o que compara com o lucro de 152 milhões de euros em período homólogo, segundo o Wall Street Journal.

 

Apesar da aquisição da francesa Alcatel-Lucent em Abril de 2015, a Nokia continua a passar por um abrandamento no volume de negócios. As vendas da companhia finlandesa continuam a não convencer. No final de Setembro, as receitas da Nokia foram de 5,89 mil milhões de euros, o que compara com os 3,04 mil milhões de euros registados em igual período no ano passado. No entanto, no mesmo período do ano passado, as duas empresas somavam um total de 6,4 mil milhões de euros em volume de negócios.

 

Outro factor que justificou a queda acentuada das acções foi a demissão de Timo Ihamuotila. O administrador financeiro decidiu juntar-se à equipa da empresa suíça ABB, abandonando a empresa finlandesa. O cargo será agora ocupado por Kristian Pullola.

 

De forma a compensar a sua queda no mercado das infra-estruturas móveis, a Nokia pretende apostar na ampliação do seu portefólio de produtos. A compra da empresa francesa já permitiu estender a oferta da companhia finlandesa para equipamentos de ligação à Internet como routers e comutadores.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub