Empresas Noruega escolhe Alemanha como parceira para compra de submarinos

Noruega escolhe Alemanha como parceira para compra de submarinos

Depois de fechado um acordo entre os dois países, os governos vão entrar em negociações com a alemã Thyssenkrupp, que deverá ser o fornecedor dos novos submarinos.
Noruega escolhe Alemanha como parceira para compra de submarinos
Correio da Manhã
Negócios 03 de fevereiro de 2017 às 13:23

A Noruega escolheu a Alemanha como parceira estratégica para a aquisição de novos submarinos, tornando a Thyssenkrupp o fornecedor mais provável, segundo avançou a ministra norueguesa da Defesa Ine Eriksen Soereide.

De acordo com a Reuters, a Noruega planeia comprar quatro submarinos, e a Alemanha dois. "Em primeiro lugar, procurámos um parceiro estratégico. Quando a Alemanha se ofereceu para comprar submarinos idênticos, juntamente connosco, isso abriu caminho para uma cooperação próxima", afirmou Soereide à agência noticiosa.

Em Abril do ano passado, a Noruega avançou que a francesa DCNS e a ThyssenKrupp eram os candidatos mais fortes para fornecer submarinos para substituir a sua frota, construída entre 1987 e 1992.

"A Noruega entrará agora em negociações finais com as autoridades alemãs. Quando houver um acordo entre os governos, dar-se-á início a uma negociação germano-norueguesa com o fornecedor alemão Thyssenkrupp Marine Systems", avançou o Ministério da Defesa norueguês em comunicado.

O objectivo é assinar um contrato conjunto em 2019 e que as entregas dos submarinos ocorram entre meados de 2020 e 2030.

A confirmar-se, o acordo poderá aliviar a pressão sobre a Thyssenkrupp para intensificar a reestruturação ou até mesmo vender o seu negócio naval, depois de ter perdido para a DCNS um contrato de submarinos australianos no valor de 38 mil milhões de dólares no ano passado.

As acções da Thyssenkrupp estão a descer 0,26% para 23,275 euros.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
conselheiro de estado 03.02.2017

Parece q estao a querer imbigar-me:ainda ontem disse neste jornal q se olha aos gastos na saude(acho bem) e aqui nao importa o custo da defesa(armamento).Quanto menor for o castigo a quem infringir a lei,maior tera de ser a cautela,dai serem gastos miles milhoes como se de um instrumento se tratasse

Saber mais e Alertas
pub