Telecomunicações Nos confirma pagamento de viagens à China de 5 colaboradores e 9 convidados

Nos confirma pagamento de viagens à China de 5 colaboradores e 9 convidados

A operadora de telecomunicações Nos confirmou hoje o pagamento das viagens aéreas à China, em Junho de 2015, a cinco colaboradores e mais nove convidados externos, adiantando estar a apurar "o enquadramento deste pagamento".
Nos confirma pagamento de viagens à China de 5 colaboradores e 9 convidados
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 28 de agosto de 2017 às 22:30

Num comunicado enviado esta noite à Lusa, a Nos "confirma que, em Junho de 2015, colaboradores da empresa participaram numa viagem de trabalho a Zhang Zhou e Shenzehen, que teve como único objectivo partilhar com os participantes conhecimento e melhores práticas na área da saúde".

 

Na nota, a operadora de telecomunicações "confirma também a existência de um pagamento das viagens aéreas da referida visita a um total de 14 pessoas, sendo 5 dessas colaboradores da empresa".

 

Segundo a companhia, "o enquadramento deste pagamento encontra-se ainda a ser apurado", já que as regras internas na operadora "não prevêem a possibilidade da empresa suportar, mesmo que parcialmente, custos de deslocações que não os dos seus próprios colaboradores".

 

"Perante isto e face às informações entretanto vindas a público, a Comissão Executiva das Nos prontamente decidiu apurar internamente o enquadramento e detalhe de um eventual envolvimento da empresa na referida viagem", acrescenta-se no comunicado hoje difundido.

 

A Nos argumenta que "a organização de visitas de trabalho com convidados, cujas funções estejam relacionadas com o objectivo de partilhar conhecimento, competências e planos de desenvolvimento tecnológico é uma prática empresarial comum e lícita".

 

A viagem, sublinha, incluiu "uma visita ao hospital de Zhang Zhou, considerado uma referência internacional, e à sede da Huawei, em Shenzhen, onde foram organizados vários 'workshops' sobre as mais recentes inovações tecnológicas na área da saúde".

 

As explicações da empresa surgem no mesmo dia em que a Huawei disse à Lusa que a empresa "não pagou viagem à China a nenhuma pessoa envolvida neste caso" e que o Ministério da Saúde difundiu um comunicado adiantando que dirigentes dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS), "em particular" os presidente e vogal do Conselho de Administração, colocaram à disposição os respectivos lugares, mas o Ministério entendeu aguardar pelas conclusões da averiguação pedida à Inspeção-geral das Atividades de Saúde (IGAS).

 

O Ministério adianta que regista "como positiva" a atitude tomada pelos dirigentes de colocarem à disposição os seus lugares, mas entende como adequado esperar pelas conclusões da IGAS, que "habilitarão a uma tomada de decisão definitiva, justa e fundamentada".

 

Em causa estão "factos ocorridos em Junho de 2015" e que, segundo o ministério, "carecem de clarificação ao nível do seu contexto ético, jurídico e institucional".

 

De acordo com o jornal Expresso, trata-se de uma viagem realizada entre 2 e 6 de Junho de 2015, envolvendo cinco dirigentes do Ministério da Saúde. Em Fevereiro do mesmo ano, outro destacado funcionário do Estado, Carlos Santos, da Autoridade Tributária, viajou para a China "com tudo pago".

 

O jornal cita uma fonte ligada ao processo, segundo a qual a empresa pagou "tudo, mesmo tudo", incluindo a alimentação.

 

A viagem incluiu uma visita ao Hospital de Zheng Zhou para observar como funciona o sistema de telemedicina da unidade e outra à sede da tecnológica em Shenzhen, perto de Hong Kong.

 

"Os altos quadros dos SPMS que viajaram a convite são Artur Trindade Mimoso, vogal executivo do Conselho de Administração, Nuno Lucas, director de sistemas de informação, Ana Maurício, directora de comunicação, Rui Gomes, director de sistemas de informação, e Rute Belchior, directora de compras", lê-se na notícia do Expresso.

 

Os SPMS confirmaram ao jornal a deslocação "suportada pela entidade que organizou a visita", justificando-a com "objectivos prioritários" de adquirir e partilhar conhecimentos sobre "os recursos, modelos e estratégias diferenciadoras utilizadas no âmbito da telemedicina".

 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

First, let's get a little historical perspective on American health care. This is not intended to be an exhausted look into that history but it will give us an appreciation of how the health care system and our expectations for it developed. What drove costs higher and higher?

To begin, let's t

Anónimo Há 1 semana

Why are Americans so worked up about health care reform? Statements such as "don't touch my Medicare" or "everyone should have access to state of the art health care irrespective of cost" are in my opinion uninformed and visceral responses that indicate a poor understanding of our health care system

Sonsos 29.08.2017

Dois anos depois e não repararam Cambada de corruptos

5640533 28.08.2017

Só agora vão "apurar" o que se passou há mais de 2 anos.

pub