Turismo & Lazer Nos estreia-se no “petróleo” da informação turística

Nos estreia-se no “petróleo” da informação turística

O Portal de Informação Turística está disponível a partir desta segunda-feira e quer, numa fase futura, ser financiado por entidades que beneficiem desses dados. O acesso dos turistas à rede Nos quando entram em Portugal é o ponto de partida.
Nos estreia-se no “petróleo” da informação turística
Bruno Simão
Wilson Ledo 09 de outubro de 2017 às 15:19

A operadora de telecomunicações Nos lançou esta segunda-feira, 9 de Outubro, o seu Portal de Informação Turística, onde reúne dados estatísticos sobre o sector do turismo em Portugal.

Para chegar a esses dados, a empresa utiliza os acessos de turistas estrangeiros à rede da Nos aquando da sua vinda a Portugal. O turismo interno, que representa cerca de 40% do total, fica assim fora dos dados analisados.


Nesta plataforma, sem apoios públicos, serão analisadas informações a uma escala de concelho, em elementos como a pressão turística, fluxos turísticos, a afluência aos fins-de-semana ou a capacidade de retenção nocturna desses mesmos visitantes estrangeiros.


A plataforma é gratuita mas a Nos prevê, no futuro, preparar pacotes de informação financiados por parte interessadas em dados mais concretos. Nesta fase, ainda não existem contratos assinados, embora o administrador João Ricardo Moreira admita estarem a decorrer conversações com autarquias nesse sentido.


"Há quem diga que os dados são o novo petróleo", comparou o responsável. A intenção da operadora é levar essa análise a um nível ainda mais profundo, procurando captar informações sobre os visitantes estrangeiros que acedem à rede Nos no que respeita à frequência de monumentos, eventos ou lojas.


Gerar partilhas desses conteúdos nas redes sociais é outra das vontades. A garantia da Nos é de que não há acesso a dados pessoais dos utilizadores que constituirão esta amostra.


Para Ana Mendes Godinho, secretária de Estado do Turismo, este novo Portal de Informação Turística mostra-se como um "instrumento de decisão" para aplicar a estratégia para o sector do turismo na próxima década, arranjando medidas que dêem resposta às tendências encontradas.


"Nunca conseguiríamos chegar aqui", completou o presidente do Turismo de Portugal, Luís Araújo, considerando que os dados existentes – como os do Instituto Nacional de Estatística, do Banco de Portugal ou do TravelBI – ainda não são suficientes para traçar a realidade do turismo português.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

NOS. Não dá para o Pitroleo. 29 Setembro fecho 5,399 na semana seguinte um desastre.
6 de Outubro fecho 5, 38 o desastre já começou hoje de novo. A preferida pelos manipuladores, não é verdade BPispanhol ? A porcaria já vem desde Novembro de 2016.......

Anónimo Há 1 semana

O "petróleo" são os nossos dados pessoais que eles têm na sua posse (locais, datas, percursos, duração, contatos, etc.)
Com isso conseguem "catalogar-nos" a todos, com base nas nossas experiências de vida.
A privacidade/anonimato é um bem cada vez mais raro.

pub
pub
pub
pub