Imobiliário Nova Iorque tem o arranha-céus mais inovador do mundo

Nova Iorque tem o arranha-céus mais inovador do mundo

De 1.500 arranha-céus encomendados nos últimos dois anos em todo o mundo saiu uma primeira lista de 30 em 14 países e depois uma shortlist de cinco edifícios localizados na Ásia e no Norte da América. O vencedor fica em Nova Iorque.
Maki & Associates, TECTONIC Maki & Associates, TECTONIC Safdie Architects, Edward Hendricks Safdie Architects, Edward Hendricks Viñoly, DBOX Viñoly, DBOX WOHA Architects, Patrick Bingham-Hall WOHA Architects, Patrick Bingham-Hall Kirsten Bucher Kirsten Bucher Kirsten Bucher Kirsten Bucher Kirsten Bucher Kirsten Bucher Kirsten Bucher Kirsten Bucher Kirsten Bucher Kirsten Bucher Kirsten Bucher
Negócios 02 de novembro de 2016 às 16:05

O arranha-céus residencial VIA 57 West, localizado em Nova Iorque, Estados Unidos, ganhou o prémio do mais inovador edifício do género no mundo.

O projecto, desenvolvido pelo atelier BIG–Bjarke Ingels Group para a The Durst Organization, recebeu o International Highrise Award 2016, atribuído pela unanimidade dos membros do júri.

O edifício "híbrido", com 709 apartamentos na proximidade do rio Hudson, cruza características de um típico arranha-céus norte-americano com uma área envolvente de padrão europeu, refere um comunicado divulgado esta quarta-feira, 2 de Novembro.

O vencedor, que recebe um prémio de 50 mil dólares (cerca de 45 mil euros), foi encontrado entre 1.500 arranha-céus encomendados nos últimos dois anos a nível internacional. Destes, o Museu de Arquitectura Alemão seleccionou 30 em 14 países, resultando depois numa shortlist de cinco edifícios, escolhida por arquitectos, engenheiros e especialistas em imobiliário.

Além do VIA 57 West, estavam em concurso o Four World Trade Center (Nova Iorque), do atelier japonês Maki & Associates; o 432 Park Avenue (também naquela cidade), projectado pela Viñoly; o SkyHabitat (em Singapura um projecto da norte-americana Safdie Architects) e o SkyVille@Dawson, localizado igualmente naquela cidade asiática e projectado pela local WOHA Architects.

O prémio é atribuído desde 2004 com periodicidade bienal aos empreendimentos com pelo menos 100 metros de altura e que conjuguem sustentabilidade e uma forma exterior, características do interior e aspectos sociais que resultem num "design pioneiro."


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub