Concorrência & Regulação Nova líder da AdC quer reforçar “capacidade de investigação” do regulador

Nova líder da AdC quer reforçar “capacidade de investigação” do regulador

Margarida Matos Rosa considera que “em poucos anos” a Autoridade da Concorrência contribuiu para melhorar a qualidade e preço dos bens e serviços. Um caminho que a nova presidente da AdC quer continuar a seguir.
Nova líder da AdC quer reforçar “capacidade de investigação” do regulador
Correio da Manhã
Negócios 26 de dezembro de 2016 às 11:15

A nova presidente da Autoridade da Concorrência (AdC), Margarida Matos Rosa, definiu como um dos principais desafios para o seu mandato consolidar a entidade "como uma instituição de referência a nível nacional e internacional".

Numa mensagem publicada no site do regulador, a nova líder da AdC começa por relembrar que a entidade foi criada em 2003, e "com a dedicação dos anteriores conselhos e de todos os colaboradores, tem desempenhado a missão de fazer cumprir as regras da concorrência e de promover uma cultura de concorrência".

Para Margarida Matos Rosa, "em poucos anos, a actuação da AdC melhorou significativamente os níveis de concorrência na economia portuguesa, representando para os cidadãos uma melhoria da qualidade e do preço dos bens e serviços nela transaccionados. Refira-se, a título de exemplo, as alterações significativas induzidas pela AdC no sector dos notários e das farmácias", detalhou.

Agora, para o novo mandato que teve início a 28 de Novembro, a nova líder da AdC definiu como desafio e assumiu "como compromisso prosseguir o caminho da excelência no serviço público, consolidando a AdC como uma instituição de referência a nível nacional e internacional".

A sucessora de António Ferreira Gomes, que a 15 de Novembro entrou na OCDE para a direcção da divisão da concorrência na unidade de Finanças e Empresas do organismo, adianta que a AdC "reforçará a dinamização da política de concorrência junto das empresas e administração pública. Continuará independente e transparente, consistente nos seus processos, eficaz e dissuasora. Para este último objectivo concorre, sem dúvida, o reforço da capacidade de investigação", revela.

"Os resultados da actuação da AdC deverão continuar a intensificar um verdadeiro ambiente de concorrência, contribuindo para o desenvolvimento económico, para a inovação e para o bem-estar dos consumidores", conclui.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz Há 4 semanas

ATÉ AGORA SÓ VEJO MUITA CONVERSA DA TRETA...

QUANTO GASTA A AdC EM AGÊNCIAS DE COMUNICAÇÃO???

TOCA A TRABALHAR E FALAR MENOS

ESTAMOS A AGUARDAR CONDENAÇÃO AO CARTEL DA BANCA... AINDA SE LEMBRAM???

pub
pub
pub
pub