Dividendos Novabase propõe dividendo de 15 cêntimos

Novabase propõe dividendo de 15 cêntimos

A tecnológica portuguesa vai propor em assembleia-geral a distribuição de 4,7 milhões de euros aos accionistas, anunciou esta quinta-feira em comunicado à CMVM. O valor por acção - 15 cêntimos - é 25% superior aos 12 cêntimos distribuídos em 2016.
Novabase propõe dividendo de 15 cêntimos
Bruno Simão/Negócios
Paulo Zacarias Gomes 16 de fevereiro de 2017 às 16:52
A Novabase prevê distribuir um dividendo de 15 cêntimos por acção relativo ao exercício de 2016, que encerrou com lucros de cerca de 9,6 milhões de euros. O valor que a empresa presidida por Luís Paulo Salvado (na foto) pretende distribuir em remuneração aos seus accionistas corresponde a quase metade 49,2% dos lucros consolidados de 2016.

A informação foi avançada esta quinta-feira, 16 de Fevereiro, em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O valor representa um aumento de 25% em relação ao dividendo distribuído no ano passado - de 12 cêntimos por acção -, respeitante ao exercício de 2015. Nesse ano, o dividendo distribuído e respeitante a 2014 tinha sido de 3 cêntimos por título, um corte em relação aos 20 cêntimos pagos no ano anterior.

O resultado líquido da Novabase cresceu 29% durante o ano passado, para os 9,577 milhões de euros, anunciou esta quinta-feira a empresa.

Para este ano, de 2017, a empresa aponta para previsões de crescimento do volume de negócios para um nível superior a 140 milhões de euros, realizando a maioria (mais de 60%, quando actualmente está em 59%) em mercados internacionais e lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (EBITDA) superiores a 10 milhões de euros.

As acções da Novabase encerraram a sessão desta quinta-feira a valorizar 0,96% para os 2,64 euros.


(Notícia actualizada às 17:22 com mais informação)

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub