Banca & Finanças Novas acções do BCP serão vendidas a 9,4 cêntimos

Novas acções do BCP serão vendidas a 9,4 cêntimos

O BCP vai aumentar o capital em 1.300 milhões de euros. Cada novo título vai ser vendido a 9,4 cêntimos. Operação está garantida pela Fosun e por um consórcio de bancos internacionais e deve estar concluída a 2 de Fevereiro.
Novas acções do BCP serão vendidas a 9,4 cêntimos
.
Maria João Gago 09 de Janeiro de 2017 às 17:28

O BCP vai avançar com uma operação de aumento de capital de 1.330 milhões de euros, cujo preço de subscrição será de 9,4 cêntimos por acção, sabe o Negócios. A operação, que está garantida pela Fosun e um consórcio de bancos internacionais, destina-se concluir a devolução do apoio do Estado e a reforçar o nível de solidez mais exigente para cerca de 11%.

 

Tendo em conta a cotação de fecho de hoje, o preço das novas acções do BCP corresponde a um desconto de 90%. No entanto, tendo em conta o valor teórico dos títulos após o aumento de capital e o facto de cada uma das actuais acções dar direito a subscrever 15 novos títulos, o desconto é de 38,6%.

Num comunicado entretanto emitido, o BCP adianta que serão emitidas 14.169.365.580 novas ações ordinárias através de uma oferta pública de subscrição destinada aos actuais accionistas, a um preço de 0,094 euros, ou seja, 9,4 cêntimos. Tendo em conta estas condições e a cotação de fecho desta segunda-feira (1,0412 euros), após a operação o BCP valerá 2.315 milhões de euros, pelo que o preço teórico do banco após o destaque dos direitos de subscrição do aumento de capital é de 0,1546 euros. É sobre este valor que o preço das novas acções representa um desconto de 38,6%.

"O preço de subscrição representa um desconto de aproximadamente 38,6% face ao preço teórico ajustado ex-rights (theoretical ex-rights price) calculado com base no preço de fecho das ações BCP na Euronext Lisbon em 9 de janeiro de 2017", refere o comunciado do BCP, adiantando que "será atribuído um direito de subscrição por cada ação representativa do actual capital social do banco". 

Cada direito recebido pode ser convertido em 15 acções, mediante o pagamento de 9,4 cêntimos por cada uma. Desta forma, por cada acção detida (que fecharam esta segunda-feira nos 1,0412 euros), os accionistas são chamados a investir 1,41 euros. Aos accionistas que não queiram particpar no aumento de capital, resta a possibilidade de alienar os direitos em bolsa. 


O sucesso da operação, aprovada esta segunda-feira pelo conselho de administração, está garantido pela Fosun, que já se comprometeu a subscrever 31% do aumento de capital, e por um consórcio de bancos internacionais, composto pelo JP Morgan, Goldman Sachs, Bank of America Merril Lynch, Crédit Suisse e Mediobanca. O aumento de capital terá início a 19 de Janeiro e deve terminar a 2 de Fevereiro.

No comunicado o BCp não se compromete com datas, adiantando que "é intenção do BCP dar início a esta oferta no mais breve prazo, após aprovação do respetivo prospeto pela CMVM e a publicação deste último e do aviso para o exercício de direitos de subscrição".


(Notícia actualizada às 19:10 com comunicado do BCP a confirmar operação)




A sua opinião39
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG Há 1 semana

Para que são os 1300 milhões? acho bem que paguem os cocos - 750 milhões - porque custam um balúrdio, parece que 10% de taxa de juro, coisa de 75 milhões ano, mas o BCP não tem já 300 milhões ou coisa para isso? Quanto ao reforço de K, empresas bem geridas e salvo em caso de forte expansão (o que não se passa com o BCP) normalmente reforçam o seu K com os lucros de exploração. Já alguém viu o Amado a apresentar uma conta de exploração previsional com lucros? eu não vi. Mas o papel dos gestores -no caso de terem alguma competência - não é apresentar contas de exploração com lucros? acho que é. Quem põe dinheiro num negócio tem direito a um rendimento, uma remuneração ou uma valorização do ativo. O que é que badameco tem estado a fazer nestes anos todos à frente do BCP. O BCP só tem sido um bom negócio para a sua nomenclatura dirigente e lacaios, talvez para parte dos trabalhadores e agora para os chineses que após assumirem o controlo chutarão o Amado e seus lacaios de bolsos cheios.

comentários mais recentes
guedes Há 1 semana

800 euros há anos vão valer agora 10. Ardi mas nem me mexo. Vão vender ações pó kar*lho!

Criador de Touros Há 1 semana

Sem haver uma posição oficial do BCP sobre o AC não irei sequer pensar no assunto.

JCG Há 1 semana

É claro que o Amado e seus acólitos depois desta operação, algum tempo depois porque os chineses são pacientes e sabem fazer as coisas, irão embora sabendo que têm algures por aí uns grossos milhões à espera, que, pelo montante do valor que estão a dar aos chineses, não me admira que não sejam umas dezenas de milhões. Um autêntico euromilhões com jackpot para a rapaziada.
Daqui por meia dúzia ou uma dúzia de anos, os que ainda por cá andarem, verão.

JCG Há 1 semana

O elevado montante do aumento de K e o prazo apertado são claramente propositados para obrigar muitos acionistas a vender os direitos porque não terão dinheiro para comprar as ações (eu não tenho). Porque das duas uma: ou exercem e compram as ações ou vendem os direitos. Os acionistas são FORÇADOS a optar. Se não comprarem, terão de vender porque de contrário perdem tudo. O preço dos direitos será essencialmente resultante das quantidades à venda e das quantidades procuradas. Os chineses facilmente encontrarão a quantidade que querem ao preço triplamente descontado.
Se não houver alguma entidade (existente para o efeito) que imponha no mínimo um prazo muito mais alargado (uns 3 meses), estaremos em presença de mais uma operação claramente tipica da máfia ou das tríades em que centenas ou milhares de portugueses serão objetivamente extorquidos ou roubados.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub