Telecomunicações Novo administrador da Anacom pede benefício da dúvida

Novo administrador da Anacom pede benefício da dúvida

Francisco Cal, indigitado administrador da Anacom, pediu o benefício da dúvida para as duas colegas que têm ligações à PT/Altice e que vão integrar o regulador consigo. Sobre a Anacom deixa já o aviso: "Tem de actuar, doa a quem doer"
Novo administrador da Anacom pede benefício da dúvida
Bruno Simão/Negócios
Alexandra Machado 06 de julho de 2017 às 18:55
Francisco Cal (na foto) irá da Estamo, sociedade pública, para a Anacom. Não sabe ainda qual a duração do mandato, mas sabendo que os quatro membros que vão entrar no regulador não podem ter todos a mesma duração, ofereceu-se para ser o seu a permanência mais curta, até pela idade.

"Quando tiver de se decidir isso, ofereço-me como voluntário para encurtar o mandato", declarou na audição aos deputados que antecede a nomeação do conselho de ministros. 

Não tendo sido questionado sobre as suas ligações ao PS, foi no entanto confrontado com o currículo de duas administradoras indigitadas para o mesmo conselho, que têm ligações à PT/Altice, empresa regulada e com poder dominante no mercado.

"Acho que não há mais nem menos [incompatibilidade] do que aquilo que diz a lei e estatuto. Não sinto que pelo facto de as pessoas virem de um operador que haja mais falta de independência do conselho". Mas pede o benefício da dúvida.

"Pode dizer-se que vêm dali, que pode ser um problema, mas não se pode dizer que é um problema. O benefício da dúvida deve ser dado sempre".

"Tenho sempre actuado, ao longo da minha vida, em todos os cargos, no cumprimento do interesse público", acrescentou Francisco Cal.

Além disso, lembrou as palavras do presidente indigitado, João Cadete de Matos, que pretende uma actuação do conselho colegial, não sendo adepto da distribuição de pelouros.

Quanto à actuação da Anacom, Francisco Cal afirmou e reafirmou que os regulamentos e as leis são para ser cumpridas, em particular no serviço universal das comunicações electrónicas e serviços postais. Assumiu a importância de responder rapidamente às reclamações, mas importante também a prevenção dessas reclamações. E ver se os contratos e regras estão a ser cumpridos. Caso contrário promete: "A Anacom tem de actuar doa a quem doer".




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
António 06.07.2017

Se aprovarem é uma vergonha. Vale tudo, um regulado a mandar no regulador

Saber mais e Alertas
pub