Banca & Finanças Novo Banco atinge quota de 22% no crédito às empresas exportadoras

Novo Banco atinge quota de 22% no crédito às empresas exportadoras

Cerca de um terço do crédito concedido pelo banco tem como destino empresas de bens transaccionáveis e exportadoras.
Novo Banco atinge quota de 22% no crédito às empresas exportadoras
Negócios 22 de janeiro de 2017 às 18:57

O Novo Banco fechou 2016 com uma quota de mercado acima de 22% no segmento de empresas e negócios no segmento de exportação, refere uma nota enviada pelo banco que está em processo de venda.

 

Na actividade de "trade finance" a quota de mercado do Novo Banco atingiu 23% e nas PME Líder aumentou dois pontos percentuais para 22%.

 

"Este reforço de posição na área de Empresas foi também consubstanciado com a concretização em 2016 de mais de 750 milhões de euros de novas operações de crédito protocoladas, reforçando assim o papel estratégico que o segmento das empresas, especialmente exportadoras, representa para o Banco, onde cerca de 70% da sua carteira de crédito é dedicada a este segmento", salienta co comunicado do banco.

 

De acordo com a mesma fonte, cerca de 32% da carteira de crédito do Novo Banco é dedicada às empresas de bens transaccionáveis e exportadoras. 


A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 22.01.2017

Nao é verdade o que diz o ultimo anónimo. A aprovacao do credito mudou radicalmente. O Banco é muito mais seletivo no credito que concede. Antes nao havia sequer departamento de credito. Hoje em dia o que se anda a fazer vai dar frutos no futuro.

Anónimo 22.01.2017

Continuam a assumir muitos riscos na concessão de crédito. Daí se falar em nacionalização ..Dá jeito ter um banco que feche os olhos em certas operações de crédito. Quem as aprova são os mesmos do tempo do BES.

Anónimo 22.01.2017

Não conheço o Dr. António Ramalho, nem sei kais são os seus planos futuros. Penso k a melhor solução para o NB é uma estilo Lloyds. Sendo assim, pague-se o k se tiver k pagar, se os Gestores forem competentes, pork já se viu k este Banco começa a dar dinheiro ser for bem gerido. O barato sai caro.

Anónimo 22.01.2017

Começo a pensar que a resolução bancária do BES foi mal feita. Só isso pode explicar o pouco valor das ofertas. Porque estes números do Novo Banco impressionam, 20% quota de mercado, 25% de quota do crédito, pagou mais uma tranche 1.500 milhões euros ao Estado. Como é possível isto? O NB vale muito.

ver mais comentários
pub