Banca & Finanças Novo Banco avisa que fracasso da compra de dívida pode ditar perdas a 100%

Novo Banco avisa que fracasso da compra de dívida pode ditar perdas a 100%

O fracasso da oferta de aquisição de dívida que o Novo Banco acaba de lançar pode implicar perdas da totalidade do valor investido pelos obrigacionistas. O aviso consta do anúncio da operação, segundo o qual os obrigacionistas podem sofrer um impacto “mais adverso do que os termos” da compra de obrigações.
Novo Banco avisa que fracasso da compra de dívida pode ditar perdas a 100%
Sara Matos
Maria João Gago 25 de julho de 2017 às 12:16

Caso a oferta de aquisição da dívida do Novo Banco não seja bem sucedida, os investidores que detêm estes títulos poderão sofrer perdas "significativas" já que a instituição pode ser alvo de uma medida de resolução que implique uma medida de recapitalização interna das obrigações.

 

O alerta é feito pelo Novo Banco no anúncio da operação de compra de 36 linhas de obrigações destinado a gerar uma folga de solidez de 500 milhões de euros e que é uma condição indispensável à concretização da venda da instituição à Lone Star.

 

"Em caso de insucesso da presente oferta, o investimento da Lone Star no Novo Banco não seria concretizado", refere o documento, avisando que, nesse cenário, a instituição "não receberá a injecção de capital prevista ao abrigo do contrato de compra e venda", no valor de 1.000 milhões. Sem um aumento de capital, "o Novo Banco não cumprirá os requisitos mínimos regulatórios de capital e não terá capacidade de se manter em continuidade", alerta o anúncio da operação.

 

Caso não cumpra as exigências de solidez a que está sujeito, "o Novo Banco poderá ser sujeito a uma ou mais medidas de resolução", iniciativas que "incluem o mecanismo de recapitalização interna (‘bail-in’), ao abrigo do qual as autoridades de resolução podem optar por converter os valores mobiliários [obrigações alvo da oferta de aquisição] em capital ou reduzir o seu valor nominal", esclarece a instituição.

 

Num cenário de resolução, depois do accionista único do Novo Banco, o Fundo de Resolução, os primeiros investidores a terem perdas serão os detentores de dívida da instituição. Estes investidores "poderão ser significativamente afectados de forma adversa pela aplicação do mecanismo de recapitalização interna". Aliás, recorda o anúncio da oferta, para os investidores com dívida da instituição, essa hipótese "pode dar azo a um resultado final significativamente mais adverso do que os termos das ofertas e das propostas" de aquisição de dívida.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
J. SILVA 25.07.2017

Isto é intolerável. Os fundos que o NB já derreteu , contínua no lixo e a chantagear e pressionar os legítimos credores. A pseudo venda é um crime e fracasso absoluto protagonizados pelo GBP e pelo seu vendilhão de serviço. O Ramalho ao aceitar o papel de lacaio/tiranete já não engana ninguém.

Camponio da beira 25.07.2017

Mas não está o suprasumo das vendas, a ganhar 30 mil, e claro logo,a seguir ajudado pelo Deutsch bank?

pub
pub
pub
pub