Banca & Finanças Novo Banco compra dívida com descontos entre 11% e 90,25%

Novo Banco compra dívida com descontos entre 11% e 90,25%

O Novo Banco pretende recomprar a dívida sénior com níveis de desconto diferente. Em 15 das emissões, a perda face ao valor nominal é inferior a 50%. Em 20 linhas de dívida, o desconto pode chegar a 90,25%, mas as perdas dos investidores são bastante inferiores.
Novo Banco compra dívida com descontos entre 11% e 90,25%
Bruno Simão
Maria João Gago 25 de julho de 2017 às 11:22

As condições de compra das 36 linhas de obrigações do Novo Banco variam consoante as características de cada emissão. Há 35 emissões que a instituição pretende adquirir a desconto face ao valor nominal, em que as perdas face a este preço podem variar entre 11% e 90,75%. Os descontos mais agressivos são para as linhas de cupão zero em que o valor investido foi inferior a 15% do valor nominal, pelo que, na prática, as perdas reais a sofrer pelos investidores são bastante inferiores às percentagens calculadas face ao valor nominal.

 

Entre as 35 emissões que a instituição liderada por António Ramalho pretende adquirir a desconto face ao valor nominal, mas a preços alinhados com o valor de mercado, os níveis de perda são inferiores a 50% para 15 emissões. Nestas linhas, há sete colocações em que o banco admite pagar mais de 80% do valor investido.

 

Mas há 20 linhas de dívida em que os investidores que tenham adquirido as obrigações ao valor nominal arriscam perdas superiores a 80%. Há mesmo uma destas emissões em que o desconto chega a 90,25% face ao valor nominal. No entanto, na prática estão em causa descontos bastante inferiores quando comparados com os montantes efectivamente investidos pelos detentores dos títulos. É que se trata de emissões de cupão zero com maturidades muito longas, em que os subscritores investem uma pequena percentagem do valor nominal.

 

Há ainda uma linha de obrigações que o Novo Banco quer comprar e se propõe pagar um prémio face ao valor nominal aos investidores, de 52,74%. Em causa está uma emissão de 20 milhões de euros que a instituição pretende adquirir por 30,55 milhões. Um valor que, ainda assim, representa um desconto face ao actual valor de mercado desta linha, que é de 37,23 milhões.

(Notícia actualizada às 12:28 com informação sobre como deve ser avaliado o desconto aplicado às emissões de dívida de cupão zero)




A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 25.07.2017

Só li o título, no que respeita a bancos, para mim, é tudo vigarice, daí dispensar-me de ler.

comentários mais recentes
Anónimo 25.07.2017

Como sao "claros" os titulos da nossa imprensa. Falem claro para todos perceberem. " Descontos" ? Sao cortes no que as pessoas compraram. Sao perdas.......

Anónimo 25.07.2017

Só li o título, no que respeita a bancos, para mim, é tudo vigarice, daí dispensar-me de ler.

Anónimo 25.07.2017

Se o NB for a vida a economia paralisa. Pensar: têm 25% quota Corporate, empresas utilizam o Banco para pagar salários, fornecedores, receber de clientes, fazer gestão de liquidez (créditos, seguros, exportação e importação). Directamente 25% da actividade empresarial pára. Depois os depositantes.

MILENUM POLACO 100 milhões + que o esperado 25.07.2017

E o DESGRAÇADO sobe 1 % em DOIS DIAS enquanto o DETUSH BANCK e O SANTANDER subiram 10 % em dois dias e não apresentaram 100 MILHÕES A MAIS MATEM os SHORTS ENFORQUEM - NOS ARRANQUEM a CABEÇA a ESSES MACACOS

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub