Banca & Finanças Novo Banco garante folga de solidez de 500 milhões

Novo Banco garante folga de solidez de 500 milhões

O Novo Banco revelou que concluiu com sucesso a oferta de compra de dívida, tendo garantido a folga de solidez de 500 milhões de euros. Garantiu 57% do total da dívida, deixando cair o requisito mínimo de 75%.
Novo Banco garante folga de solidez de 500 milhões
Sara Matos
O Novo Banco terminou com sucesso a operação de compra de dívida, garantindo uma folga de 500 milhões de euros de solidez. No total, garantiu 57% dos 8.300 milhões de dívida, ou seja, 4.743 milhões de euros de obrigações, revelou o banco em comunicado.

Assim garante os 500 milhões de folga que precisava para cumprir com o acordado e desbloquear a sua venda à Lone Star. 

Ainda assim, o banco liderado por António Ramalho teve de deixar cair o requisito mínimo que tinha sido fixado e que definia como meta a compra de 75% da dívida. 

Esta almofada pretende reduzir a probabilidade de o Fundo de Resolução ter de injectar até 3.890 milhões de euros no banco para compensar perdas com activos problemáticos. 

A liquidação destas obrigações ocorrerá já esta quarta-feira, 4 de Outubro. E "a concretização da venda do Novo Banco à Lone Star deverá ocorrer logo após a autorização formal da Comissão Europeia", acrescenta a instituição num comunicado enviado às redacções. 

Ainda esta quarta-feira, o Negócios revela que a venda do Novo Banco à Lone Star está a acelerar, com os envolvidos na operação a trabalharem para antecipar a conclusão do negócio, sem esgotar o prazo de 10 dias. 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

Esta operação foi inacreditável. Percebeu-se desde logo que se pretendia alcançar o Objectivo à custa dos Particulares e assim foi. Pressionaram-nos, assustaram-nos e eles entregaram-se. Os Fundos ou recusaram, e não tiveram prejuízos, ou negociaram antes ou depois do fim do prazo da OPA melhores condições. Vão ter, de uma forma ou outra, um tratamento favorável, que culminou com a renúncia à exigência de 75 % que poderia em última instância evitar o prejuizo dos Particulares. Escrevi-o aqui há dias. Era mais que óbvio. Seria o epílogo da tragicomédia e foi-o. Aceitaram os 57 % como aceitariam qualquer valor. A exigência estava lá , não para ser cumprida mas para enganar assustar os Particulares. Não tenho memória de nada mais opaco no mercado de capitais que conduziu ao prejuizo dos mais fracos. A CMVM ficou à margem, o BP foi o carrasco de serviço e o Governo passou pelo problema entre os pingos da chuva. Uma vergonha inqualificável !

comentários mais recentes
Pipo Há 2 semanas

Para conseguir o objetivo de 500 Milhões, o NB não precisava de comprar 75% das obrigações. As poupanças seriam muito superiores.

As contas estavam ao alcance de qualquer um mas não houve nenhum jornalista que tivesse denunciado a situação. E agora vêm dizer que cumpriram o objetivo de 500 Milhões mas sem dizer o real valor. Na verdade as poupanças foram de 2500 Milhões sendo que 400 Milhões foram diretos em diferença de capital e o resto em juros que deixam de pagar até 2050.

É claro que também houve contrapartidas nos depósitos a prazo oferecidos aos particulares mas apenas aos que não votassem contra nas AG servindo assim como argumento de chantagem. E também nas negociatas diretas com os fundos de investimento que supostamente seriam os que iriam suportar a operação. Com isto muitas vendas foram aprovadas em AG de forma compulsiva assegurando o "roubo" aos que não queriam colaborar.

Tudo isto para beneficiar a Lone Star que só entra com 1000 Milhões, menos que os obrigacionistas

Anónimo Há 2 semanas

A margem também não era muita. 1º BES nunca devia ter sido resolvido, 2º Depois da resolução se era para vender a Curto devia ser a melhor oferta (houve uma de €2,2 mil milhões). Liquidar o Banco era instalar o pânico e caos. Desvalorização imensa de activos e ninguém sabe o q há no shadow banking.

Anónimo Há 2 semanas

São incompetentes e estão a cobrar comissões astronómicas. Não tenho de me sujeitar. Vou mudar

Anónimo Há 2 semanas

Nunca vi tanta incompetencia junta como a que existe nesse banco.
Hoje dei uma ordem de compra de acções às 9 h e passadas mais de duas horas, ainda estava a aguardar para saber se a ordem tinha sido cumprida. Tentei, então, por várias vezes, anular a ordem, em vão. A ordem permanece activa.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub