Automóvel Novo escândalo de emissões ameaça Suzuki e Fiat-Chrysler

Novo escândalo de emissões ameaça Suzuki e Fiat-Chrysler

Em causa estão os modelos Suzuki Grand Vitara e Jeep Grand Cherokee que poderão estar a emitir "níveis inaceitavelmente elevados" de gases tóxicos não detectáveis nos medidores durante os ensaios. Ministério público da Holanda abriu inquérito.
Novo escândalo de emissões ameaça Suzuki e Fiat-Chrysler
Bloomberg
Negócios 10 de julho de 2017 às 17:30

O Ministério Público holandês abriu nesta segunda-feira, 10 de Julho, uma investigação formal para apurar suspeitas de manipulação do software de medição das emissões poluentes em dois veículos automóveis. As marcas visadas são a japonesa Suzuki e o consórcio italo-americano FCA, que junta a Fiat e a Chrysler, noticia a Reuters. Em causa estão os modelos Suzuki Grand Vitara e Jeep Grand Cherokee (na foto) que poderão estar a emitir "níveis inaceitavelmente elevados" de gases tóxicos não detectáveis nos medidores durante os ensaios oficiais, segundo as conclusões da autoridade rodoviária holandesa, que apertou a malha do controlo no rescaldo do escândalo que persegue a Volkswagen desde 2015.

A investigação está centrada na emissão de óxido de nitrogénio em carros a diesel. Ambas as construtoras alegam que as discrepâncias entre as medições feitas em condições de teste e as reais se devem a software destinado a proteger o motor de danos quando submetido a contextos extremos. Esse tipo de software é permitido pela lei europeia. Caberá agora ao Ministério Público averiguar se este argumento corresponde à verdade.


Já no início deste ano, a Agência de Protecção Ambiental norte-americana dirigira um aviso à Fiat Chrysler por alegado incumprimento do "Clean Air Act", lei que regula a poluição atmosférica nos Estados Unidos. A empresa terá instalado, sem divulgar, software manipulador das emissões poluentes entre 2014 e 2015 nos modelos Jeep Grand Cherokees e carrinhas Ram 1500 com motores diesel de três litros.

Depois de as acções da construtora terem caído mais de 16%, o CEO Sergio Marchionne veio a público classificar como um "absurdo disparate" a comparação deste caso ao escândalo de emissões da Volkswagen.


O gestor garantiu, então, que não houve intenção deliberada de manipular emissões e que não era clara a obrigatoriedade em identificar e comunicar à Agência de Protecção Ambiental (EPA) a instalação de "software" desta natureza.


A Bloomberg avançava que o caso da Fiat Chrysler poderia ser resolvido com uma simples actualização da tecnologia instalada. Contudo, a fabricante automóvel não se livraria de coimas que podem rondar os quatro mil milhões de euros.

No caso da Volkswagen, as primeira denúncias remontam a 2015 e foram feitas nos Estados Unidos onde estarão apenas meio milhão dos 11 milhões de carros afectados em todo o mundo pelo esquema de manipulação das emissões da marca alemã. O escândalo já custou à empresa 22,6 mil milhões de euros em coimas e outras despesas, mas a factura final poderá não ficar por aqui.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub