Aviação Novo incidente com "drone" envolve jacto executivo no Porto

Novo incidente com "drone" envolve jacto executivo no Porto

Um jacto executivo, proveniente de França, cruzou-se hoje com um 'drone' a cerca de 150 metros de altitude, quando o avião se preparava para aterrar no Aeroporto do Porto, disseram à agência Lusa fontes aeronáuticas.
Novo incidente com "drone" envolve jacto executivo no Porto
Bloomberg
Lusa 02 de julho de 2017 às 22:06
Este é o 14.º incidente com 'drones' (veículo aéreo não tripulado) reportado pela aviação civil desde o início do ano, envolvendo estes aparelhos, que violam o regulamento e aparecem na vizinhança, nos corredores aéreos de aproximação aos aeroportos ou na fase final de aterragem. Só em Junho registaram-se oito ocorrências deste tipo.

Segundo as mesmas fontes, a tripulação "reportou, pelas 11:45 desta manhã, um 'drone' a 50/60 metros do lado esquerdo do avião", quando o jato executivo (modelo HS 25 British Aerospace) "estava a cerca de 150 metros de altitude e já na fase final de aproximação para aterrar no Aeroporto do Porto".

Contactada pela Lusa, a NAV Portugal (responsável pela gestão do tráfego aéreo) confirmou a ocorrência, acrescentando que irá notificar a Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC) e o Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários (GPIAAF).

O regulamento da ANAC, em vigor desde Janeiro deste ano, proíbe o voo destes aparelhos a mais de 120 metros de altura e nas áreas de aproximação e descolagem dos aeroportos. Prevê ainda coimas até 2.500 euros.

O anterior incidente registou-se na segunda-feira, 26 de Junho, quando um Boeing 737-800, com capacidade para 162 passageiros, da companhia Ryanair, vindo do Porto, cruzou-se com um 'drone' no momento em que sobrevoava a zona entre a Praça de Espanha e Sete Rios, a cerca de 500 metros de altitude, já na fase final da aproximação ao Aeroporto de Lisboa.

Um dos incidentes mais graves aconteceu a 1 de Junho, quando um Boeing 737-800, da companhia TVF, France Soleil, grupo Air France/KLM, com cerca de 160 passageiros, teve de realizar várias manobras para evitar a colisão com um 'drone' a 450 metros de altitude, quando a aeronave se preparava para aterrar no Aeroporto do Porto.

Na sexta-feira, o presidente da ANAC disse que o regulador ordenou a abertura de sete processos de contraordenação e que remeteu uma queixa para o Ministério Público, relativos às 13 ocorrências com 'drones', registadas até esse dia, desde a entrada em vigor do regulamento, a 13 de janeiro.

Em audição na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, por requerimento do PSD, Luís Ribeiro explicou no parlamento que as 13 ocorrências com 'drones' reportadas até então, deram origem a oito processos (sete de contraordenação e um de averiguação) e a uma queixa ao Ministério Público.

Em declarações aos jornalistas, no final da audição parlamentar, o presidente da ANAC defendeu que "é preciso tomar medidas adicionais" devido ao aumento de ocorrências com 'drones'.

Seis meses após a entrada em vigor do regulamento em vigor, Luís Ribeiro acrescentou que esse reforço das regras tem de acontecer "por via legislativa", adiantando que o registo obrigatório dos 'drones' está previsto na proposta que está a ser elaborada.

Segundo o regulamento da ANAC, os 'drones' apenas podem "efectuar voos diurnos, à linha de vista, até uma altura máxima de 120 metros, e nos casos em que as aeronaves não se encontrem a voar em áreas sujeitas a restrições ou na proximidade de infraestruturas aeroportuárias".

Os mapas com as zonas interditas e permitidas, assim como o regulamento em vigor, estão publicados na página na Internet www.voanaboa.pt.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado estouapau Há 2 semanas

O QUE ESPERA o governo para tomar medidas IMEDIATAS?.
Espera um grande acidente PARA DEPOIS MANDAR FAZER OS INQUERITOS DO COSTUME?

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Quando houver bronca da grossa com mortes e destruiçao de património talvez,talvez tomem medidas.Leis de exceçao e emergência impõem-se de imediato como se fosse um ataque de guerra.

estouapau Há 2 semanas

O QUE ESPERA o governo para tomar medidas IMEDIATAS?.
Espera um grande acidente PARA DEPOIS MANDAR FAZER OS INQUERITOS DO COSTUME?

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub