Energia Nuno Alves sai da comissão executiva da EDP Renováveis

Nuno Alves sai da comissão executiva da EDP Renováveis

O gestor renunciou ao cargo de administrador executivo da empresa de energias renováveis da EDP, mas continua a integrar o Conselho de Administração.
Nuno Alves sai da comissão executiva da EDP Renováveis
Miguel Baltazar/Negócios
Nuno Carregueiro 16 de dezembro de 2016 às 21:14

A EDP Renováveis anunciou esta sexta-feira, 16 de Dezembro, que o administrador financeiro Nuno Alves renunciou ao cargo executivo que ocupava na empresa, pelo que a comissão executiva passa a ser constituída apenas por quatro elementos.  

 

"A EDP Renováveis informa que Nuno Maria Pestana de Almeida Alves apresentou a sua renúncia aos cargos de membro da Comissão Executiva da EDPR e de membro da Comissão de Operações entre Partes Relacionadas", refere o comunicado emitido para a CMVM, acrescentado que o gestor "continuará como membro do Conselho de Administração da EDPR".

 

Nuno Alves desempenha o cargo de administrador desde 2008, ano em que a empresa se autonomizou da EDP e passou a esta cotada em bolsa. Nuno Alves é também administrador financeiro da EDP, desde 2006, sendo que a eléctrica não comunicou qualquer alteração no seu conselho de administração.

 

Para ocupar o lugar de Nuno Alves Comissão de Operações entre Partes Relacionadas da EDPR, a EDP Renováveis nomeou Acácio Jaime Liberado Mota Piloto, membro independente do Conselho.

 

Este órgão passa agora a ser composto por José Ferreira Machado, Francisca Guedes de Oliveira e Acácio Jaime Liberado Mota Piloto.

 

Já a comissão executiva passa a ser composta por quatro elementos: João Manso Neto (Presidente), Miguel Dias Amaro, João Paulo Nogueira da Sousa Costeira e Gabriel Alonso Imaz. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub