Banca & Finanças Nuno Amado confirma interesse nos activos do Deutsche Bank na Polónia

Nuno Amado confirma interesse nos activos do Deutsche Bank na Polónia

O presidente executivo do Millennium bcp, Nuno Amado, confirmou esta segunda-feira à agência Lusa que o banco Millennium da Polónia está a estudar a possibilidade de avançar com uma proposta para adquirir os activos do Deutsche Bank naquele país.
Nuno Amado confirma interesse nos activos do Deutsche Bank na Polónia
Bruno Simão/Negócios
Lusa 10 de julho de 2017 às 13:44

"É uma análise que estão a fazer, que vai ter algum epílogo, mas as condições de análise e eventual proposta são, obviamente, condicionadas por um conjunto de critérios que, neste momento, estão a ser analisados", disse o banqueiro, em Coimbra, à margem da conferência 'Saúde Privada em Portugal', organizada pelo Millennium bcp.

 

Segundo Nuno Amado, "não há qualquer decisão, nem qualquer compromisso, a não ser analisar com mais dois outros bancos" que também estão a estudar a oportunidade.

 

O Jornal de Negócios de sexta-feira, que cita o diário polaco Puls Biznesu, escreveu que à venda estão depósitos e a carteira de crédito denominados em zloty (a moeda local), o negócio de banca de investimento e 'corporate' [empresas], com um valor dos activos em alienação que pode chegar aos 500 milhões de euros.

 

"Nas mãos do banco alemão continuarão os empréstimos denominados em moeda estrangeira, de acordo com as regras bancárias internas", salienta o jornal.

 

O presidente executivo do Millennium bcp, Nuno Amado, sublinhou à agência Lusa que "só em condições claramente favoráveis é que o Millenium Polónia fará uma proposta final".

 

A análise está a feita pelo banco na Polónia, que é detido a 50,1% pelo bcp, e Nuno Amado diz não saber dizer "qual vai ser o resultado final".




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

Sou obrigado a pagar através de comissões, contribuições e impostos o nível de vida passado, actual e futuro de 2200 assalariados da CGD que não são lá precisos para nada. O sindicato deles, o Sindicato Bancário do Sul e Ilhas (SBSI), já analisou os termos oferecidos pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) no programa de “Revogações por Mútuo Acordo”, divulgado na última semana de Junho aos trabalhadores do grupo público. E a sentença é negativa: “As condições propostas aos trabalhadores ficam aquém das expectativas.” E agora pergunto eu, quem regula e supervisiona estas criaturas? As do escândalo CGD e de outros escândalos semelhantes. Há muitos casos destes nas organizações portuguesas. Tem sido o pão nosso de cada dia.

comentários mais recentes
O gajo é parvo e não desaparece Há 2 semanas

O ressabiado dos custos de oportunidade dos CoCos ainda por aqui anda. Expliquem-lhe pf que os CoCos foi um negócio magnifico para o Estado: cobrou 8% de juros e já recuperou todo o dinheiro que lá meteu. Quem teve custos, e altos, foi o BCP. Felizmente que já pagou tudo.

Anónimo Há 2 semanas

Realmente é preciso ter uma certa arte para conseguir obrigar o Estado a abarcar com tamanhos custos de oportunidade como aqueles que representam os CoCos e restante subsidiação e resgate ao sector bancário detido por privados.

Anónimo Há 2 semanas

Sou obrigado a pagar através de comissões, contribuições e impostos o nível de vida passado, actual e futuro de 2200 assalariados da CGD que não são lá precisos para nada. O sindicato deles, o Sindicato Bancário do Sul e Ilhas (SBSI), já analisou os termos oferecidos pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) no programa de “Revogações por Mútuo Acordo”, divulgado na última semana de Junho aos trabalhadores do grupo público. E a sentença é negativa: “As condições propostas aos trabalhadores ficam aquém das expectativas.” E agora pergunto eu, quem regula e supervisiona estas criaturas? As do escândalo CGD e de outros escândalos semelhantes. Há muitos casos destes nas organizações portuguesas. Tem sido o pão nosso de cada dia.

Anónimo Há 2 semanas

comenta la o aumento de capital que vais ter de fazer ate´janeiro de 2018..

ver mais comentários
pub