Banca & Finanças Nuno Amado: "Estão criadas as condições para o BCP ter uma base accionista mais forte"

Nuno Amado: "Estão criadas as condições para o BCP ter uma base accionista mais forte"

O BCP já pode ter "uma base accionista mais forte", congratulou-se Nuno Amado à saída da assembleia-geral que aprovou o aumento do limite de votos para 30%. A Sonangol aprovou a medida, revelou o banqueiro.
Maria João Gago 19 de Dezembro de 2016 às 11:45

"Estão criadas as condições para que haja accionistas que possam aumentar as suas posições para mais de 20% e para o banco ter uma base accionista mais forte", sublinhou Nuno Amado à saída da assembleia-geral que aprovou o aumento do limite de votos de 20% para 30%.

 

O banqueiro não adiantou de que forma é que esta mudança vai alterar a forma de o BCP reforçar o seu capital, mas deixou entender que o banco pode vir a tomar medidas nesse sentido a curto prazo, mas apenas em 2017. "Vamos analisar as consequências desta aprovação rapidamente, mas este ano só posso desejar um Feliz Natal", limitou-se a comentar Amado.

 

O líder o BCP não quis adiantar se, além da Fosun, também a Sonangol já tem autorização do Banco Central Europeu para passar a fasquia dos 20% do banco. Mas deixou claro que a petrolífera Angola "aprovou favoravelmente a alteração do limite de votos".

 

Recorde-se que esta alteração não foi aprovada a 21 de Novembro último, data do segundo encontro destinado a votar esta alteração, porque a Sonangol ainda não tinha luz verde do BCE para poder ter mais de 20% do BCP.

Já a Fosun tinha essa autorização e tinha acabado de investir 174,58 milhões de euros num aumento de capital destinado ao grupo chinês e que lhe permitiu passar a controlar 16,7% do banco, o que tornou o conglomerado de Guo Guangchang no maior accionista da instituição.


Nuno Amado acredita em Fosun com 30% do BCP

Depois da alteração de limite de votos aprovada esta segunda-feira, Nuno Amado acredita que a Fosun irá reforçar a posição no banco. "Temos os nossos acordos com a Fosun e temos a expectativa de que cheguem aos 30%", adiantou aos jornalistas, à saída do encontro de accionistas.

 

Sobre o facto de o Sabadell ter saído do capital do banco, com a venda surpresa de uma posição de 4,1%, o banqueiro apenas destacou o facto de essa participação ter sido absorvida pelos investidores. "A saída está feita. A participação está colocada no mercado e agora vamos pensar padrão futuro", sublinhou.

Em Bolsa, o BCP segue a recuar 1,7% para valer 1,1302 euros por acção. 

BCP vai ficar mais forte após alteração dos limites de voto?


(Notícia actualizada às 11:50 com mais informações)

 




A sua opinião19
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 4 semanas


Ladrões PS - PCP - BE - e seus apoiantes - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

400 milhões de Euros para aumentar as pensões baixas, são migalhas em comparação com...

os mais de 4600 milhões de euros que o Estado vai injetar, em 2017 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o financiamento do buraco anual das pensões dos FP-CGA.

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

esse garoto encheu a pança com o dinheiro que me roubou a mim e outros, o garoto não diz onde está o dinheiro capturado com as mentiras aos pequenos investidores? o garoto não o vai comer que alguém vai ter um frente a frente com o garoto porco sujo.

Anónimo Há 4 semanas

Sr. Dr. Amado só espero que acredite no que diz e que Deus o ajude.

JCG Há 4 semanas

Os chineses já disseram ao que vêm: utilizar as posições em Portugal - adquiridas por meia dúzia de patacas e às duas por três sem porem efetivamente um tostão (utilizam recursos das próprias empresas para se financiarem) - para utilizar como instrumentos de outros lances e manobras especialmente no espaço da União, utilizando até os próprios recursos do banco para operações especulativas e aventureiras, como fizeram com a seguradora. Não se espera - eu não espero - que a entrada dos chineses signifique uma injeção de competência de gestão e de recuperação da solidez do banco. Só num país mal governado - governado por incompetentes e oportunistas - é que tal coisa poderia acontecer.

Anónimo Há 4 semanas

Diz o anónimo que agora já se sabe porque o Banco Cabedelo vendeu a sua participação no BCP.Sabe o Sr Anónimo e sabe o jornal de negócios...Vergonha!!!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub