Agricultura e Pescas O caçador de nevoeiro

O caçador de nevoeiro

Nas favelas de Lima, no Peru, há um homem decidido a levar água a quem vive sem ela. Para isso, instalou redes que "capturam" as micro-gotas do nevoeiro. É o mesmo que "vindimar as nuvens", diz.
O caçador de nevoeiro
Reuters
Negócios 02 de dezembro de 2016 às 19:31

Globalmente, 1 em cada 10 pessoas não tem acesso a água de rede. Abel Cruz é um empreendedor peruano e está a tentar encontrar uma solução para este problema, usando redes para "caçar" nevoeiro.

 

A ideia, diz Abel à BBC News, é "vindimar as nuvens".

 

Para isso, instalou redes de nevoeiro que capturam as micro-gotas suspensas no ar. Estas ficam presas à malha da rede e descem até às tubagens, que percorrem até ao tanque ali instalado, nos arredores de Lima – capital do Peru.

 

E o sucesso é grande: "conseguimos 200 a 400 litros de água por dia, de cada rede", explica Abel Cruz, que diz que as pessoas não conseguiam ver esta água que estava mesmo defronte dos seus olhos.  

 




"Estamos a mudar a vida de cerca de 6.500 pessoas neste preciso momento", sublinha Abel, que lidera o grupo "Peruanos Sem Água". Com efeito, as 60 redes que instalou nesta região de Lima fornecem água gratuita a 250 famílias, que a usam nas suas colheitas.

 

A água obtida é, assim, usada essencialmente na agricultura de pequena escala. Isto porque ainda não se pode beber. Mas lá se chegará – é essa a convicção de Abel Cruz, que já tem planos para começar a tratá-la de modo a torná-la potável.

 

"Estamos a dar meios de subsistência às pessoas mais pobres, para poderem ter as suas hortas urbanas", diz, com um ar visivelmente feliz.

 

Abel cresceu numa favela e sabe o que é esperar que haja finalmente acesso a água canalizada. Pesquisou na Internet e pôs-se em contacto com especialistas em redes de captura de nevoeiro, tendo posteriormente conseguido angariar fundos para centenas destas redes no Peru.

 

A agricultura com recurso a água proveniente do nevoeiro é um projecto ainda numa fase muito incipiente, que conta com 15 projectos em todo o mundo. E as redes de captura de nevoeiro exigem condições climatéricas muito específicas: nevoeiro consistente e vento fraco, além de terras onde colocar as redes.

 

Nos locais onde estes projectos têm sido implementados, os fundos chegam sobretudo através de doações. O sector privado não demonstrou ainda grande interesse, já que considera que são projectos temporários, uma vez que a água canalizada acabará por chegar a todo o lado. Mas centenas de milhares de pessoas dos arredores de Lima vivem há décadas sem água de companhia e a água que obtêm é a que lhes é levada em camiões – e que lhes permite ter o que beber. Com o projecto de Abel Cruz, já há quem veja mais esperança no futuro. 


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub