Desporto O gestor que quer anular um negócio por estar bêbado

O gestor que quer anular um negócio por estar bêbado

Mike Ashley é um conhecido nome do mundo do desporto. Fundador da Sports Direct e dono do Newscatle United, está a ser julgado por ter feito um acordo com o banqueiro de investimento Jeff Blue, no valor de 15 milhões de libras, que não está a pensar cumprir porque estava bêbado.
O gestor que quer anular um negócio por estar bêbado
Bloomberg
Carla Pedro 08 de julho de 2017 às 17:00

O dono e fundador da Sports Direct, empresa de venda de vestuário, calçado e acessórios desportivos, está em tribunal. Tudo porque Mike Ashley firmou um acordo com um banqueiro de investimento, Jeffrey Blue, que não está a pensar cumprir.

 

Blue argumenta que Ashley lhe prometeu pagar 15 milhões de libras (15,9 milhões de euros) se este usasse os seus conhecimentos para conseguir fazer subir o preço das acções da Sports Direct para 8 libras. O banqueiro conseguiu – as acções duplicaram de preço, de 4 para 8 libras, em apenas três anos – e agora reclama que Ashley apenas lhe pagou um milhão de libras (1,13 milhões de euros), conta a BBC News.

 

Acontece que o acordo foi feito num bar. Ashley diz que gosta de ficar bêbado e que é uma "máquina de beber", pelo que não se recorda sequer do acordo, que foi feito há quatro anos no pub Horse and Groom, em Londres.

 

Ashley, que é também dono do Newcastle United, afirmou, no quarto dia de julgamento deste caso, que já teria bebido quatro canecas e que as cervejas surgiam sem parar, "como metralhadoras", naquilo que considerou uma sessão de consumo excessivo de álcool.

 

"A minha cena não é beber regularmente, é beber até cair para o lado. Tento ficar ébrio – será que conseguem aceitar isso? Nessa ocasião, o que eu queria era ter uma boa saída à noite", afirmou Mike Ashley em tribunal, citado pelo The Guardian.

 

Quando questionado sobre o grau de alcoolismo de Blue, o dono da Sports Direct disse que o banqueiro nunca teria conseguido acompanhar o seu ritmo, relata o The Telegraph. Em matéria de bebida, "eu sou um peso-pesado, ao passo que ele é um peso-pluma", afirmou.

 

Segundo o empresário, o que acontece é que fez um favor a Blue quando este o convidou para um serão com três operadores de bolsa. "Preferia enfiar agulhas nos olhos do que ir a uma coisa assim. Uma noitada de apresentações? É como termos de ir à escola dos nossos filhos falar sobre o que fazemos. É absolutamente horrendo", declarou.

 

Ashley, que tem 54 anos, adiantou que as pessoas estão sempre a querer que ele vá a milhares de "cenas" e que esta saída foi mesmo um favor a Blue, que tinha sido seu colega.

 

O empresário referiu também que nunca tirou "um tostão" da Sports Direct – salário ou o que quer que fosse.

 

O tribunal que está a julgar o caso foi informado, segundo a BBC News, que Ashley organizava regularmente reuniões em bares, tendo certa vez vomitado sobre uma lareira depois de beber 12 "pints".

 

Ashley, recorde-se, é a 54.ª pessoa mais abastada do Reino Unido, de acordo com a lista dos mais ricos elaborada pelo Sunday Times. Ao tribunal, o empresário salientou que a sua fortuna está essencialmente ligada às acções da Sports Direct, pelo que só terá esse dinheiro se as vender – coisa que não pensa fazer.

 

"Acham, sinceramente, que eu valho agora menos dois mil milhões de libras do que quando as acções estavam a 9 libras? Não faz qualquer diferença, até ser vendida a participação, se a empresa vale 20 libras por acção – as acções são simples papel decorativo", acrescentou, citado pelo The Guardian.

 

As acções da Sports Direct atingiram um máximo histórico de 9,22 libras em 2014, mas agora negoceiam na casa das 2,98 libras.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub