Automóvel O novo carsharing que vai chegar a Portugal quer acabar com o carro próprio

O novo carsharing que vai chegar a Portugal quer acabar com o carro próprio

Chama-se DriveNow, é detido a meias pela BMW e a Sixt, e vai chegar depois do Verão a Portugal pela mão da Brisa. O Negócios foi conhecer o serviço a Munique.
O novo carsharing que vai chegar a Portugal quer acabar com o carro próprio
DR
André Veríssimo 23 de agosto de 2017 às 08:39
Abre-se a aplicação num smartphone e imediatamente começa a pesquisa por veículos disponíveis na zona, todos BMW ou Mini. É possível colocar filtros para aparecerem apenas "cabrios", SUV ou carrinhas. Depois é só seleccionar um dos automóveis disponíveis, todos baptizados com um nome, ideia de Nico Gabriel, um dos dois CEO da DriveNow, uma forma de criar uma relação mais emocional. Através da app destranca-se o carro. Uma vez no lugar do condutor basta introduzir um "pin", e é seguir viagem.

Em breve será assim na cidade de Lisboa. A DriveNow, um serviço de carsharing criado em 2011 pela BMW e a empresa de "rent a car" Sixt, vai chegar à capital portuguesa depois do Verão pela mão da Brisa. Os detalhes da operação portuguesa serão divulgados no dia 30, numa conferência de imprensa em Lisboa.

A cidade portuguesa é a terceira em que a DriveNow usa o modelo do franchising, A primeira foi Copenhaga, com a Arriva Denmark, seguindo-se Helsínquia, com o OP, um grupo financeiro finlandês. A DriveNow disponibiliza a plataforma em troca de royalties.

A aposta da Brisa enquadra-se na estratégia de investir nos novos serviços de mobilidade partilhada e foi a empresa liderada por Vasco de Mello que primeiro se aproximou da DriveNow. Nico Gabriel explicou numa apresentação aos jornalistas a opção pela Brisa com o facto de ser "um parceiro que conhece a cidade, com uma vasta base de clientes". Destacou também o facto de a empresa portuguesa partilhar "a mesma visão estratégica para criar um ecossistema de mobilidade".

"O objectivo é que os nossos clientes desistam de ter carro próprio", assume Sebastian Hofelich, o outro CEO. E os estudos já realizados comprovam esse efeito. "Por cada novo carro em carsharing há pelo menos três veículos privados que são anulados", afirma Sabine Effner, responsável pelo departamento de transportes da câmara de Munique, na apresentação de uma estação de mobilidade, que combina comboios, autocarros, metro, "bike sharing" e "carsharing".

A DriveNow está actualmente em 12 cidades em 8 países da Europa, tem uma frota de 5.700 carros (16% eléctricos), conta com 925 mil clientes, que realizam uma média de 700 mil viagens por mês. Segundo contas da própria empresa, o seu serviço permitiu já retirar 15.000 carros de circulação. Se um carro privado tem uma utilização média de 60 minutos por dia, no regime de "carsharing" sobe para 300.


Ser mais barato que o táxi

Em Munique os custos de utilização variam entre 31 e 34 cêntimos por minuto. Há bónus de minutos para quem abastecer ou carregar os carros abaixo de um certo nível de autonomia. A conta chega no fim da viagem. Assim que se tranca o carro, o preço aparece no visor da app e é enviada uma factura por email. O carro fica então disponível para o cliente seguinte.

"O objectivo é que o custo se situe entre o do transporte público e do táxi", explica Nico Gabriel. Em média, o preço fica 30% a 50% abaixo do táxi, garante. Mas diz que o objectivo não é concorrer com este, mas sim oferecer uma proposta de mobilidade complementar. Os preços em Lisboa serão conhecidos no dia 30.

A esmagadora maioria dos utilizadores são locais (90%) e quase todos os restantes de outras cidades onde o serviço já existe. Mas Nico Gabriel assume que parte do interesse em Lisboa tem a ver com o crescimento do turismo e dos "city breaks".

Em Lisboa já existem outros serviços de partilha de carros e motas. A Citydrive opera 40 carros mas pretende crescer para mais de 250 e disponibilizar 100 "scooters". A eCooltra já tem 170 destas pequenas motorizadas nas ruas da capital e pretende aumentar a frota até ao próximo Verão.

*O jornalista viajou a convite da Brisa



A sua opinião19
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

A ideia até pode ser boa mas tem de levar em conta o poder económico do Português depois o valor é cobrado em função do tempo ora este Presidente da Câmara mais a sua equipa de mentes raquiticas não tem feito outra coisa que não seja encurtar as ruas o que provoca congestionamento onde se circulava e escuava transito rapidamente logo aí vai-se pagar mais.

Pedro Há 2 semanas

Será o mercado a ditar se as ideias vingarão ou não. A minha opinião é que não vingará. Para os custos serem inferiores à actual solução (ter carro próprio) significaria que alguém deixaria de ganhar o que ganha - os fabricantes de carros e peças. Então vamos pagar mais por um stock menor de carros.

Fernando Sousa Há 3 semanas

O carro próprio já deixou de fazer sentido para quem reside nas grandes cidades e usa transportes públicos ou motociclos para ir para o trabalho. O carro próprio não deixará de existir em muitas outras situações. Há lugar para todas as alternativas.

Anónimo Há 4 semanas

Quem se vai sentir "sharingado" de novo são os taxistas, e não devem demorar muito a criar confusão.

ver mais comentários
pub