Construção Obras na estação de Arroios custam mais 1,3 milhões do que o previsto  

Obras na estação de Arroios custam mais 1,3 milhões do que o previsto  

As obras de reabilitação da estação de metro de Arroios, em Lisboa, vão custar mais 1,3 milhões de euros do que o inicialmente previsto, estando o valor total fixado em 5,9 milhões de euros, segundo um comunicado hoje divulgado.
Obras na estação de Arroios custam mais 1,3 milhões do que o previsto  
Bruno Simão/Negócios
Lusa 13 de fevereiro de 2017 às 18:16

"O projecto de reabilitação, desenvolvido pelo Metropolitano de Lisboa, revestiu-se de particular complexidade ao nível das suas componentes, estruturais e de electromecânica, que estiveram na origem das alterações que afectaram a fase de anteprojecto, tendo o respectivo orçamento sido revisto de 4,6 milhões de euros para 5,9 milhões de euros, e o prazo de execução estendido a 24 meses", lê-se no comunicado.

 

Segundo a empresa, depois de intervencionada, aquela estação ficará com "novos sistemas e tecnologias adequadas aos dias de hoje".

 

O Metropolitano de Lisboa fez ainda saber que lançou hoje o concurso público para as obras de ampliação e remodelação da estação de Arroios, a única que não está preparada para receber comboios de seis carruagens.

 

Por isso, na linha verde (Telheiras -- Cais do Sodré) circulam apenas comboios com três carruagens, o que gera constantes reclamações por parte dos passageiros, que dizem sentir-se como "sardinhas em lata" por as composições estarem sempre muito cheias.

 

Depois das obras, aquela estação "passará a contar com um cais de 105 metros, viabilizando a circulação na linha verde de comboios com seis carruagens", e terá elevadores no átrio norte, com acesso à Praça do Chile, "garantindo assim os parâmetros de plena acessibilidade à estação".

 

Na nova estação está ainda prevista a aplicação de um painel cerâmico de Nikias Skapinakis, intitulado "Cortina Mirabolante", criado para esta estação em 2005, indicou a empresa.

 

A estação de Arroios abriu ao público em 1972, com um cais de 70 metros e dois átrios. Teve como autor do projecto de arquitectura o arquitecto Dinis Gomes e os azulejos foram pintados por Maria Keil.

 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Critica 14.02.2017

Salvo melhor opinião, a complexidade de que falam é pura demagogia. É conversa de treta para enfiar na cabeça de burros.
Este, é o primeiro projecto desta natureza realizado ou analisado pelas equipas técnicas do METRO? Não! É sabido de todos que nos últimos 30 anos, muitas obras de extensão das linhas, de ampliação e modernização das estações têm sido feitos..., logo experiência é algo que NÃO pode faltar!
O que todos sabemos, é que as democráticas derrapagens servem para pagar favores aos amigalhaços e dar o mensalão ao partido das simpatias... e há uns que têm elevada dívida. Há que pagá-la..., com o dinheiro do povo!

comentários mais recentes
Critica 14.02.2017

Salvo melhor opinião, a complexidade de que falam é pura demagogia. É conversa de treta para enfiar na cabeça de burros.
Este, é o primeiro projecto desta natureza realizado ou analisado pelas equipas técnicas do METRO? Não! É sabido de todos que nos últimos 30 anos, muitas obras de extensão das linhas, de ampliação e modernização das estações têm sido feitos..., logo experiência é algo que NÃO pode faltar!
O que todos sabemos, é que as democráticas derrapagens servem para pagar favores aos amigalhaços e dar o mensalão ao partido das simpatias... e há uns que têm elevada dívida. Há que pagá-la..., com o dinheiro do povo!

Anónimo 13.02.2017

Se calhar, na lista inicial não estavam todos os gajos em que era preciso "untar" as mãos...

Camponio da beira 13.02.2017

Como nas obras particulares isso nunca acontece, logo nas publicas, os projectos devem ter as omissões necessárias, para depois "por acaso" serem precisas obras a mais...Mas vocês pensam que somos todos parvos???

Conselheiro de Trump 13.02.2017

Diz o ditado:quando a esmola e grande o pobre fica de pe atraz,inteligente.O empreiteiro pega-lhe por baixo para ganhar a obra e depois vai dizer o que acrescentou na obra sem ter falado de incio,inteligente.Ao fim e ao resto os bancos gozam duma saude que nem dao por ela.Tudo gente muito seria.

pub