Construção Obras públicas em máximos desde a chegada da troika

Obras públicas em máximos desde a chegada da troika

Só nos primeiros seis meses deste ano foram anunciados concursos de obras públicas no valor de 1.480 milhões de euros, mais do dobro do verificado no mesmo período do ano passado.
Obras públicas em máximos desde a chegada da troika
Rita Faria 02 de agosto de 2017 às 11:51

Desde 2011, ano em que Portugal pediu assistência financeira aos parceiros internacionais, que o Governo português não abria tantos concursos de obras públicas como os que foram anunciados nos primeiros seis meses deste ano.

 

Segundo um relatório da AICCOPN (Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas), entre Janeiro e Junho deste ano, o total de concursos de empreitadas de obras públicas promovidos atingiu os 1.480 milhões de euros.

 

Este valor é mais do dobro do verificado no período homólogo de 2016 e o mais elevado desde o primeiro semestre de 2011.

 

Já os contratos celebrados e reportados no Observatório das Obras Públicas neste primeiro semestre (no âmbito de concursos de obras públicas) ascenderam a 522 milhões de euros, cerca de metade do montante total relativo ao ano de 2011 (1.137 milhões de euros).

 

Os 522 milhões de euros representam uma subida de 80% face ao verificado nos primeiros seis meses do ano passado.

 

A AICCOPN destaca que o diferencial entre obras anunciadas e contratações celebradas atinge já os 957 milhões de euros.

 

Os contratos celebrados em resultado de ajustes directos situaram-se nos 310 milhões de euros, mais 18% em termos homólogos.





A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 02.08.2017

Se a República comprar pás e picaretas e o governo mandar metade dos portugueses esburacar as estradas todas e outra metade ir lá tapá-las a 150 euros à hora, o PIB ainda cresce mais este ano. Força dupla Costa-Centeno! Não compensa é os estragos já feitos em Tancos e Pedrógão. Não ia lá com pás, picaretas e uma avalanche de contratos de trabalho sem qualquer estratégia, justificação ou sentido. Mas o PIB cresce. E a dívida para nós e os nossos filhos pagarem também...

comentários mais recentes
pertinaz 02.08.2017

BOM... BOM.. ALGUÉM HÁ-DE PAGAR...!!!

Tótó 02.08.2017

Tudo normal: é ano de eleições...

LOLOLOL 02.08.2017

Primeiro os direitolas gritavam que não havia investimento e que era só cativações, agora gritam porque há investimento. Decidam-se.

Bom sinal 02.08.2017

Carrega PS

ver mais comentários
pub