Banca & Finanças Oficial: Caixa com prejuízos de 1.859 milhões em 2016

Oficial: Caixa com prejuízos de 1.859 milhões em 2016

As imparidades, que superaram os 3 mil milhões de euros, pesaram no desempenho do banco em 2016.
Oficial: Caixa com prejuízos de 1.859 milhões em 2016
Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro 10 de março de 2017 às 17:41

A Caixa Geral de Depósitos apresentou um prejuízo de 1.859 milhões de euros em 2016, depois do reconhecimento de mais de 3 mil milhões de euros de imparidades.

A auditoria que teve lugar na Caixa Geral de Depósitos levou ao reconhecimento de um montante de 3.016,9 milhões de euros em imparidades e provisões em 2016. É este o valor que justifica, em grande medida, o histórico prejuízo de 1.859 milhões de euros.

 

O resultado líquido negativo registado no ano passado compara com os prejuízos de 171 milhões registado em 2015, segundo mostra o relatório divulgado esta sexta-feira, 10 de Março.

 

Olhando para os indicadores da CGD, a margem financeira (que representa a diferença entre os juros cobrados e os juros pagos) somou 5,5% para 1.145 milhões de euros. A redução do custo de financiamento permitiu esta evolução positiva.

 

Em sentido inverso, as comissões líquidas caíram 6,9% para 463,6 milhões de euros.

 

Juntando a subida da margem e a queda das comissões e também dos resultados de operações financeiras, o produto bancário da instituição financeira recuou 22,6% para 1.547,2 milhões de euros.

 

Do lado dos custos, houve uma queda de 9,1%, que envolve por exemplo o Plano Horizonte, que passou por um processo de reformas antecipadas.

 

Foi depois a constituição de imparidades, com um aumento desde os 715 milhões em 2015 para 3.016,9 milhões em 2016, que contribuiu para o prejuízo, o maior da história da CGD. A imparidade de crédito ascendeu a 2.396,4 milhões, diz o comunicado do banco público. 

A impedir que os prejuízos fossem mais expressivos esteve a factura fiscal. A CGD teve uma poupança fiscal de 827 milhões de euros através de impostos diferidos, que existem na base de o banco apresentar resultados positivos no futuro. Macedo afirmou que o lucro líquido chegará em 2018. 

 

Queda de 5% dos depósitos

 

Em relação ao balanço, os depósitos no banco deslizaram 5,2% para 56.165 milhões de euros, penalizado pela queda de 36% de institucionais de 1,8% dos particulares.

 

Já o crédito concedido a clientes pelo banco em Portugal desceu 3,5% para 51.453 milhões de euros, com a maior queda (10,8%) a verificar-se no segmento empresas mas também a recuar (5,1%) nos particulares. 

Com as imparidades constituídas no banco em 2016, "o rácio de crédito vencido com mais de 90 dias atingiu 6,6% em Dezembro de 2016 (7,2% em 2015), tendo a respectiva cobertura por imparidades fixado-se em 123,9%, o que compara com 102,2% em Dezembro de 2015".

 

Olhando para o capital, o rácio de capital CET1 fixou-se em 7%, tendo de chegar a 9,75% no final do ano. Com o aumento de capital com dinheiros estatais aprovado esta sexta-feira pela Comissão Europeia, no valor de 2,5 mil milhões, o rácio subirá para 12%, segundo as regras em vigor ("phased in"). 


(Notícia actualizada pela última vez às 17:59)




A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Jornaleiro batoteiro! 11.03.2017

Jornaleirismo trapaceiro. E' evidente q o prejuizo da CGD foi contabilizado em 2016 . Mas isto devido a desonestidade e as vigarices do chefe cuelho e da mary LOO/PPd q fugiram as suas responsabilidades nos anos anteriores.Este deficit NAO SE REPORTA A 2016 E' antes a TOTALIDADE das imparidades.

Anónimo 10.03.2017

Os cidadãos não servem apenas para serem sacrificados sem saberem em nome de que beneficiados. Queremos saber tudo sobre os causadores de todo este sacrifício, seja o Carlos Costa, o Paulo Núncio ou o Ricardo Salgado. A Justiça não Funciona, nunca conseguem prender os Ladrões de colarinho branco!!

Skizy 10.03.2017

agora ainda gostava mais de conhecer a lis que o BE e PCP fizeram questão de ajudar costa a esconder. os devedores!

Anónimo 10.03.2017

Onde está lista dos devedores que deu origem a estas imparidades?

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub