Telecomunicações Oi apresentou proposta para pagar dívidas a 58 mil credores

Oi apresentou proposta para pagar dívidas a 58 mil credores

A operadora brasileira apresentou ao Tribunal uma proposta que prevê o pagamento a credores com dívidas até 50 mil reais. Caso avance, a Oi vai desembolsar até 783 milhões de reais. As conversações com os credores já avançaram.
Oi apresentou proposta para pagar dívidas a 58 mil credores
Reuters
Sara Ribeiro 29 de Novembro de 2016 às 13:23

A Oi continua a trabalhar no plano de recuperação judicial apresentado em Junho deste ano. E, segundo a operadora anunciou esta terça-feira, 29 de Novembro, já avançou com uma proposta que prevê o pagamento de parte da dívida a cerca de 58 mil credores.

De acordo com um comunicado enviado à CMVM pela Pharol, maior accionista da operadora, a Oi "apresentou ao Juízo, no qual está em curso a recuperação judicial, uma proposta de utilização da mediação como forma de solucionar os créditos de valor de até 50 mil reais (cerca de 13,8 mil euros), o que abrange um universo de quase 58 mil credores com créditos até esse valor".

Tal proposta, a avançar, pode resultar "em um desembolso pela companhia de um valor de até 783 milhões de reais (216 milhões de euros)", detalha a empresa, que tem uma dívida total de 65 mil milhões de reais (perto de 18 mil milhões de euros) – o valor mais elevado de sempre da história brasileira presente num pedido de recuperação judicial.

No mesmo documento a Oi informa ainda "que participou de uma audiência de mediação com a Agência Nacional de Telecomunicações – Anatel com vista a uma solução consensual para equacionamento das dívidas em que a Anatel é credora da companhia", que rondam os 20,2 mil milhões de reais (5,5 mil milhões de euros).

Além do Tribunal e da Anatel a Oi garante que já avançou com conversações com os credores sobre o plano de recuperação.
"Todos estes factores indicam claramente que a Oi permanece engajada na busca de um consenso para a aprovação de um plano de recuperação judicial que garanta a sustentabilidade, tendo inclusive sido iniciadas conversas com credores sobre potenciais alterações nos termos propostos para o plano de Recuperação Judicial da companhia", lê-se no mesmo documento.

Mas as notícias relacionadas com o plano de recuperação da Oi não ficam por aqui. A Oi foi informada pelos administradores judiciais holandeses "que estes poderiam requerer a conversão dos dois procedimentos de "suspension of payments" [suspensão de Pagamentos] das suas subsidiárias Oi Brasil Holdings Coöperatief UA – Em Recuperação Judicial ("Oi Brasil Holdings") e Portugal Telecom International Finance B.V. – Em Recuperação Judicial ("PTIF"), veículos financeiros da Oi na Holanda, em processos de falência", revela.

A operadora acredita que caso venha a ser realizada tal conversão, "tal evento não prejudicaria o seu caixa ou as suas actividades operacionais e que tal conversão estaria restrita à jurisdição e lei holandesas". "A Oi espera que disso não resultem impactos significativos na recuperação judicial e no dia-a-dia da companhia no Brasil, onde a Oi tomará as medidas necessárias para manter seus activos preservados", acrescenta.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub